quinta-feira, 23 de setembro de 2010

AINDA ACREDITA EM "VERDADES" DIVULGADAS NA INTERNET?



Recebi dia desses um e-mail dizendo que a candidata à presidência da republica Dilma Rousseff teria dito a um jornalista de Minas [sem nome] a seguinte frase: “porque nesta eleição nem mesmo Cristo querendo, me tira essa vitória”.

Se fosse verdadeira, essa declaração teria sido bombástica, certamente veiculada pela mídia até que todos soubessem. Estranhamente, os grandes veículos de comunicação não veicularam tal notícia. A veiculação foi grande por parte de alguns blogs [inclusive evangélicos], que, de forma irresponsável, soltaram uma notícia, que representa uma inverdade, sem antes ter confirmado se era verdadeira ou não.

O e-mail que recebi tinha claros indícios de mais uma corrente mentirosa e manipuladora. Ao final do e-mail, a famosa e já conhecida frase das correntes de e-mails: “Vamos passar adiante, passe para o maior número de contatos possíveis, o Brasil precisa saber disso.” No e-mail não constavam nomes, nem o lugar preciso do ocorrido, nem o dia, nem o evento...Claramente uma falácia!
Precisamos estar mais atentos ao que é publicado na Internet e não ir acreditando em tudo. Na Internet há muita mentira e muita falsidade. Aos blogueiros, peço mais atenção com suas publicações, e aos leitores, mais cuidado com o que lêem, verificando se se trata verdadeiramente de uma notícia real. Agindo assim, evitaremos ser manipulados por pessoas que vivem para manipular e maquinar a mentira e o mal.

O fundador da igreja Sara Nossa Terra explica os motivos para os evangélicos votarem em Dilma Rousseff.

http://www.youtube.com/watch?v=vVdGhBJoBsk&feature=related


Neste culto evangélico o pastor João Nunes, da Assembléia de Deus, Ministério Madureira, orienta sobre política e faz o povo refletir sobre Dilma Rousseff, e principalmente sobre as eleições 2010.


http://www.youtube.com/watch?v=7Nhes-Hur2s

Escute bem a posição totalmente habalizada do Pr.Paulo Kazão

http://www.youtube.com/watch?v=vYSFFGN5GO0&feature=fvwk

--
PROFESSOR ERICKSON RIBEIRO
83 8813 8532 (oi)
83 9937 5958 (claro)
Twitter: http://twitter.com/ericksonribb
MSN: ericksonlr@gmail.com
Empresário Amway 3109207007
Graduado em Letras-UFPB
Pos-Graduando em Mídias na Educação
Professor de Lingua Inglesa
Professor de Português Técnico
Treinador Motivacional
Coach

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

FOTOS ANTIGAS DE JOÃO PESSOA

1871 - Av. General Osório
(Marquês do Herval)
(Rua Nova))

Arquivo: Acervo Fotográfico Humberto Nóbrega

Esta é a segunda rua aberta na cidade. Com o nome de Rua Nova foi palco dos grandes acontecimentos locais durante o Brasil colônia e império.
A foto, tomada do cruzamento com o antigo Beco da Misericórdia, mostra a Igreja do Mosteiro de São Bento e, ao fundo, a Igreja Matriz de Nossa Senhora das Neves.
Até onde pude pesquisar, esta é a foto mais antiga que se tem da cidade.
 
1877 - Rua das Trincheiras
Cidade de João Pessoa em 1877 - Rua das Trincheiras
Cidade de João Pessoa em 1877 - Rua das Trincheiras Ver em 2008

Em tempos remotos era conhecida apenas como o caminho para a cidade do Recife. Em 1710, durante a Guerra dos Mascates, o governador João da Maia Gama ficou ao lado dos imperialistas e mandou tropas contra a cidade de Olinda. Temendo, depois, uma represália mandou construir trincheiras nesse caminho, nas imediações de onde fica, hoje, a igreja de N.S. de Lourdes.
O sobrado da foto pertencia ao Barão do Abiaí, último presidente da Província da Paraíba no período imperial. Nesse local está edificada, hoje, a Delegacia do Ministério do Trabalho, em frente ao Pavilhão do Chá.
 
1881 - Rua Peregrino de Carvalho
(Beco da Misericórdia)
Rua Peregrino de Carvalho em 1881(antigo Beco da Misericórdia)
Arquivo: Museu Walfredo Rodriguez
Cidade de João Pessoa em 1940, Beco da MisericórdiaVer em 1940
Cidade de João Pessoa em 2010,  Rua Peregrino de CarvalhoVer em 2010
O beco iniciava na Rua General Osório (antiga rua Nova) terminando na
Igreja da Misericórdia, vista ao fundo.
O segundo sobrado à direita era a residência dos pais do jovem José Peregrino de Carvalho, herói e mártir da Revolução de 1817.
A foto de 1940 mostra reformas feitas na igreja, onde acrescentaram-lhe mais duas portas ladeando a entrada principal.
A foto de 2010 mostra que, após 1940, restauraram a frente da igreja deixando-a com o visual do século XVII.
 
1898 - Rua Duque de Caxias
(Rua Direita)

Rua Duque de CaxiasVer em 2010
Trecho entre a Praça Rio Branco e o Convento de Santo Antônio. No século XVIII o prédio à esquerda abrigava a Companhia Geral de Comércio Pernambuco e Paraíba. Idealizada pelo Marquês de Pombal, a companhia prejudicou sensivelmente o desenvolvimento da cidade por meio século.
 
1902 - Rua da Areia
(Rua Barão da Passagem)
Cidade de João Pessoa em 1902 - Rua da Areia
Cidade de João Pessoa em 1902 - Rua da AreiaVer em 2008

Até o início do século XX a cidade tinha poucas ruas calçadas. O declive acentuado do local recebia muita água das chuvas que acumulavam muita areia no final da rua.
 
1903 - Rua Maciel Pinheiro
(Rua do Comércio)
(Rua das Convertidas)

Cidade de João Pessoa em 1903 - Rua Maciel Pinheiro
Rua Maciel PinheiroVer em 2009

Até os anos 1950 essa rua foi o símbolo do comércio local. No século XIX e início do século XX os comerciantes mais abastados costumavam construir sobrados para manter o negócio no térreo e residir no pavimento superior.
No século XVIII existiu, ali, um abrigo para "mulheres de vida fácil", as quais, se autorizado o acesso, eram ajudadas a ter uma vida normal através de penitências e muitas orações. O abrigo era mantido pela diocese.
 
1904 - Praça Pedro Américo
(Largo do Quartel)
(Campo do Diogo)

Cidade de João Pessoa em 1904 - Praça Pedro Américo
Cidade de João Pessoa em 2008 - Praça Pedro AméricoVer em 2008

À esquerda o antigo Quartel do Exército, hoje abriga o Comando do 1º Batalhão de Polícia Militar.
À direita, parte do prédio do Teatro Santa Roza.
As árvores plantadas são oitizeiros. Continuam lá, fortes e imponentes.
 
1904 - Rua Duque de Caxias
(Rua Direita)

Arquivo: Museu Walfredo Rodriguez

Foto tomada da esquina da Igreja da Misericórdia em direção ao Convento dos Franciscanos.
 
1908 - Praça 1817
(Pátio das Mercês)
Cidade de João Pessoa em 1908 - Praça 1817 - antigo Pátio das Mercês
Arquivo: Museu Walfredo Rodriguez
Cidade de João Pessoa em 2008 - Praça 1817 - antigo Pátio das MercêsVer em 2008

Igreja das Mercês (fundos para a Praça João Pessoa) que foi demolida para a construção do passeio em dois níveis. O casario à esquerda corresponde ao local dos atuais prédios do Banco Santander, do Shopping Cidade e do Banco do Brasil.
À esquerda o "acendedor de lampiões", encarregado de acender, apagar e consertar os lampiões no centro da cidade. À direita pode-se ver um bonde com tração animal saindo do Beco do Barão, onde atualmente existe a Galeria Augusto dos Anjos.
 
1912 - Praça Barão do Rio Branco
(Largo do Erário)
(Largo do Intendência)
(Largo do Pelourinho)

Cidade de João Pessoa em 1924 - Praça Barão do Rio Branco - antigo Largo do Erário
Arquivo: Acervo Fotográfico Humberto Nóbrega
ver em janeiro de 2010Ver em 1924
ver em janeiro de 2010Ver em 2009

A foto registra os ares de modernidade da cidade, através da rede de energia elétrica inaugurada naquele ano.
O prédio ao centro foi construído na segunda metade do século XVIII para abrigar a Casa dos Contos ou Tesouraria da Fazenda Imperial. Foi, depois, Séde do Governo da Província e Agência Central dos Correios a partir de 1869. Sofreu reformas que lhe acresceram mais um pavimento. Atualmente ali funciona o Núcleo de Pesquisas em Arte Popular da UFPB.
Em 1924, em função da moderna política de urbanização e higienização aplicada às capitais, o local já toma a forma de praça com bancos e jardins.
Do casario na ala direita remanesce a casa com quatro janelões e porta em arco.
Todo o conjunto da praça é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.
 
1919 - Rua Duque de Caxias
(Rua Direita), no trecho inicial que vai do Largo do São Francisco até a Igreja da Misericórdia.
(Rua da Baixa) no trecho entre a Igreja da Misericórdia e a Av. Guedes Pereira (antiga Ladeira do Rosário) por causa do declive no nível da rua (foto).
(Rua São Gonçalo) entre a Av. Guedes Pereira e a Faculdade de Direito (antigo Colégio dos Jesuítas).
Cidade de João Pessoa em 1919 - Rua Duque de Caxias. antiga Rua da Baixa
Arquivo: Museu Walfredo Rodriguez
Cidade de João Pessoa em 2009 - Rua Duque de Caxias. antiga Rua da BaixaVer em 2009

No centro a Igreja do Rosário que foi demolida para a construção da Praça Vidal de Negreiros (Ponto de Cem Réis).
O segundo prédio, a partir da direita, foi séde do jornal "Correio da Manhã" que daria lugar ao Paraíba Palace Hotel. Ao fundo, o campanário da Igreja da Misericórdia.
 
1920 - Rua General Osório
(Marquês do Herval)
(Rua Nova)

Cidade de João Pessoa em 1920 - Rua General Osório (antiga Rua Nova) com a Catedral ao fundo
A antiga Rua Nova (segunda rua da cidade) nasceu como ligação entre a Capela de Nossa Senhora das Neves (futura catedral) Mosteiro de São Bento e Igreja da Misericórdia.
O pavilhão central e o passeio da secular festa da padroeira, exceto por alguns poucos anos, são montados regularmente entre seus calçadões.
O primeiro prédio à direita foi construído em 1875 e abriga, hoje, a Biblioteca Pública Estadual.
 
1924 - Linha Férrea Cruz do Peixe-Tambaú
  Cidade de João Pessoa em 1924 - linha do bonde de Cruz do Peixe até Tambaú
Arquivo: Foto Voltaire

Cidade de João Pessoa em 1924Vista aérea em 2001
Ver o local em 2010Ver o local em 2010
Trabalhos de alargamento da estrada que viria a ser a futura Avenida Epitácio Pessoa, unindo o centro da cidade à orla marítima.
O caminho já existia desde 1907, para instalação da linha de trem que partia de Cruz do Peixe (imediações do atual Hospital Santa Isabel) até a praia de Tambaú.
 
1925 - Prédio dos Correios e Telégrafos
Cidade de João Pessoa em 1925 - Prédio dos Correios e Telégrafos
ver em janeiro de 2010 Ver em 2010
O prédio, concluído em 1925, abriga, hoje, o Paço Municipal. Fica na
esquina das avenidas Guedes Pereira e Beaurepaire Rohan, ladeando a
Praça Pedro Américo.
 
1928 - Rua Maciel Pinheiro

Arquivo: extraído de vídeo da Prefeitura Municipal de João Pessoa
Rua Maciel PinheiroVer em 2010

Os sobrados ao fundo, na Rua da Areia (antiga Barão da Passagem), foram demolidos para a construção da Praça Antenor Navarro. A foto foi tomada da calçada da Associação Comercial.
 
1930 - Praça Álvaro Machado
Cidade de João Pessoa em 1936 - Praça Álvaro Machado
Arquivo: álbum de família de Drayton Correa
Largo da Praça Álvaro Machado
Ver em 2010

A praça fica em frente ao antigo Porto do Capim, desativado após a construção do porto de Cabedelo.
Esse era o ponto de partida e chegada das "sopas", denominação local dos ônibus que faziam a rota para o interior do estado.
 
1931 - Casa da Pólvora e dos Armamentos

Casa da Pólvora em 2008Ver em 2008
Ver Panorâmica em 2009Ver panorâmica em 2009
Por autorização do Rei Pedro II de Portugal, foi iniciada em 1704 e concluída em 1707. A Casa da Pólvora e dos Armamentos é o único prédio conhecido nas Américas construído para esse fim fora de um forte. O prédio é tombado pelo IPHAN - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.
Situada na Ladeira do São Francisco (primeira artéria da povoação) a meio caminho da ligação entre o Varadouro e a parte alta da cidade, nota-se que, pela localização, servia como observatório de toda a faixa entre o Porto do Capim e a Fortaleza de Santa Catarina.
No local funciona o Museu Fotográfico Walfredo Rodriguez, onde o visitante além de voltar no tempo delicia-se com a bela paisagem oferecida.
 
1933 - Praça Aristides Lobo
Cidade de João Pessoa em 1933 - Praça Aristides Lobo
Cidade de João Pessoa em 2008 - Praça Aristides LoboVer em 2008

À direita o Grupo Escolar Tomaz Mindello.
Ao fundo o prédio onde, nos anos 1960/1970, funcionavam a Assembléia Estadual, Secretaria de Agricultura e Loteria do Estado da Paraíba. Hoje abriga o Comando Geral da Polícia Militar.
 
1939 - Paraíba Palace Hotel

Ver em 2006

Edificado na década de 1920, o hotel ajudou a consolidar as mudanças
pretendidas pelos governantes no sentido de modernizar o visual da cidade. Teve seu apogeu no período de 1950/70 com artistas e políticos que ali se hospedaram, tornando-o o ponto mais "chic" da cidade.
O prédio tem vista privilegiada de todo o espaço aberto da Praça Vidal de Negreiros (Ponto de Cem Réis), também inaugurada naquela década.
A partir dos anos 1970 a tendência do empresariado carreou a oferta de leitos para a orla marítima, resultando no declínio progressivo da sua
clientela. Atualmente funciona com alguns setores de apoio do governo estadual.
 
1942 - Praça Vidal de Negreiros (Ponto de Cem Réis)
Cidade de João Pessoa em 1936 - Praça Vidal de Negreiros, conhecida como o Ponto de Cem Réis
Arquivo: Foto Stuckert

A praça foi construída em 1924 pelo prefeito Walfredo Guedes Pereira, contando com um grande relógio central e um pavilhão, servindo como ponto final de bondes e praça central de táxis.
O uso da expressão "Ponto de Cem Réis" antecede a inauguração da praça. Antes existia no local a Igreja do Rosário que era o ponto final das três linhas de bondes da cidade. Os cobradores, ao se aproximarem do local, gritavam "olha o ponto dos cem réis!" lembrando aos usuários para ter em mãos a moedinha de cem réis que era o preço da passagem. A expressão caiu no gosto do povo e o hábito se mantém. Poucos habitantes sabem o verdadeiro nome da praça.
 
1943 - Largo da Praça Antenor Navarro

Arquivo: Foto Stuckert
Cidade de João Pessoa em 2008 - Largo da Praça Antenor NavarroVer em 2008

O Largo é formado pela convergência das ruas da Areia, Cândido Pessoa e Maciel Pinheiro, em frente à Praça Antenor Navarro.
O casario à direita forma um quarteirão tringular, conhecido como "ferro-de-engomar". Os prédios não sofreram reformas e abrigam lojas de material elétrico, tintas e ferragens.
 
1944 - Av. Guedes Pereira
(Ladeira do Rosário)
(Caminho das Cacimbas)

Cidade de João Pessoa em 1944 - Avenida Guedes Pereira
Arquivo: extraído de vídeo da Prefeitura Municipal de João Pessoa
 
A antiga Ladeira do Rosário iniciava em frente à Igreja do Rosário (demolida) e era o caminho mais curto para as cacimbas que abasteciam d'água boa parte da cidade. As cacimbas existiam na região onde atualmente fica a Rua Padre Azevedo, ao lado do Quartel do 1º BPM, extendendo-se até o Terminal Rodoviário de Passageiros.
Ao fundo o prédio que abriga, hoje, o Comando da Polícia Militar.
 
1946 - Av. Guedes Pereira
Cidade de João Pessoa em 1944 - Avenida Guedes Pereira
Arquivo: álbum de família de Drayton Correa
Avenida Guedes PereiraVer em 2010

A avenida nasce na Praça Pedro Américo e se estende até a Rua Duque de Caxias, na esquina do Ponto de Cem Réis. À esquerda, o antigo prédio da Assembléia Legislativa, que atualmente abriga o Comando Geral da Polícia Militar da Paraíba.
 
1953 - Praça Vidal de Negreiros (Ponto de Cem Réis)
Cidade de João Pessoa em 1953 - antigo pavilhão do Ponto de Cem Réis
Desde sua inauguração o local é conhecido como "a boca mais quente da cidade". O lugar onde se resolve todos os problemas do mundo. Conforme o jornalista Djacy Andrade "aqui é a escola da malandragem pessoense, habitat do galanteador de esquina, repouso do guerreiro aposentado, universidade da política paraibana".
A foto acima mostra a praça que, reformada em 1951 na gestão do prefeito Oswaldo Pessoa, perdeu o relógio central e ganhou dois pavilhões para acomodar lanchonete, café expresso, banca de revistas e boxes de engraxates.