quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

A MELHOR FORMA DE COMEÇAR


“Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.” (Saint-Exupéry)

Todo patrocínio deve ter como objetivo ensinar o poder da duplicação, que é o ingrediente principal na “receita” da renda residual. O patrocínio deve ser de qualidade, feito com responsabilidade e produtivo para você e para o novo patrocinado. Patrocinar é ensinar alguém a fazer o que você está fazendo, o que deve ser feito.
Você não é responsável pelo sucesso do seu patrocinado, mas é co-responsável pela transmissão do método de construção do seu negócio, orientado pela sua Linha Ascendente.
O patrocínio produtivo é a melhor forma de iniciar uma pessoa no negócio – é o início correto. Você age como um “educador”, ensinando os primeiros passos e como todo o processo deverá ser duplicado.
Durante o processo de patrocínio ajude o seu novo patrocinado a refletir sobre o seguinte:
a) De que adiantaria se matricular em uma faculdade e não ir às aulas, não ler os livros, não anotar as informações?
b) Como conseguir uma grande colheita sem antes usar as ferramentas necessárias para cultivar a terra?
c) Não estamos em uma corrida de 100 metros, mas em uma maratona de 42 quilômetros. Treinamento é fundamental.
d) A pergunta principal não é se este negócio funciona, mas se você funciona para este negócio.
e) Você não pode decidir pelas pessoas, mas pode inspirar outros a tomar a decisão de construir este negócio.
Em seguida, você pode aplicar o roteiro das “13 questões”:
1) Ajude-o a definir quais os produtos que melhor atende as necessidades do novo patrocinado e quais os procedimentos necessários para que ele faça seu primeiro pedido.
2) Oriente sobre o investimento na educação – convite para o próximo evento (se for o caso), materiais de apoio, catálogos, áudios, vídeos, livros, apostilas etc.
3) Ensine como poderá acessar seu escritório virtual e usar as demais ferramentas via web.
4) Encontre o motivo do seu novo patrocinado, ajude-o a definir suas metas de curto prazo (até seis meses), de médio prazo (até dois anos) e de longo prazo (mais de cinco anos).
5) Estabeleça a meta para os primeiros 90 dias – de volume pessoal mensal, de patrocínios, de qualificação/pin, de resultado de revenda (clientes pessoais), de quantidade de pessoas no seu grupo, de cheque de bônus, etc.
6) Ajude-o a fazer uma lista com no mínimo 50 nomes, pré-qualificando a partir de critérios como: ambição, comunicação, contatos/relacionamentos, credibilidade, condições financeiras e visão empreendedora. Enfatize que essa lista deverá ser acrescida do maior número possível de pessoas.
7) Faça três contatos por telefone com pessoas que fazem parte da lista dele. Dê preferência as mais (pré) qualificadas e agende duas apresentações. Certifique-se de que após a segunda apresentação o seu novo patrocinado já saiba mostrar fazer sozinho.
8) Ensine várias formas de fazer contato para vender a apresentar o negócio. Mostre como convidar para os eventos presenciais e virtuais (apresentações online).
9) Ajude-o a aprender sobre os produtos (características, vantagens e benefícios). Ensine-o a vender para os “nãos” temporários.
10) Fale sobre a importância de gerar volume pessoal e de conquistar e manter clientes.
12) Indique os primeiros livros positivos, sobre marketing multinível, liderança, auto-ajuda etc.
13) Edifique a sua linha ascendente comprometida com o negócio. Dê os telefones e e-mails de líderes com resultado. Faça-o sentir-se parte do Time da Linha Ascendente.
O patrocínio produtivo só termina quando você ajuda o seu novo patrocinado a patrocinar no mínimo uma nova pessoa. Esse é o início do processo da duplicação.
“Alguém só compra alguma coisa se essa coisa puder fazer alguma coisa por ela.” [Ednaldo Bispo]

Fonte: http://ednaldobispo.wordpress.com/

Multinível e o dinheiro da vergonha

Por Ednaldo Bispo

pedir dinheiroConversando com o Alexandre Campos, amigo e líder respeitado do multinível no Brasil, ele me disse: “Ednaldo, é muito bom fazer esse negócio e ter o dinheiro da vergonha!” Eu fiquei curioso com a afirmação e perguntei: “Alexandre, o que é o dinheiro da vergonha?” Ele me respondeu: “É o dinheiro que eu tenho guardado para não ter que passar pela vergonha de pedir dinheiro a você.”
O dinheiro da vergonha é uma poupança que nos protege da humilhação, da mendicância, do desespero, das fragilidades. É uma reserva para o período de “vacas magras”, um dinheiro para momentos difíceis.
Você pode construir o seu negócio de marketing multinível, usando o tempo disponível, sem precisar largar o seu emprego, conciliando com tudo o que já faz, para juntar o seu “dinheiro da vergonha”.
Quem tem vergonha de pedir dinheiro emprestado, precisa ter o “dinheiro da vergonha”.

Fonte: http://ednaldobispo.wordpress.com/