GANHE LITECOINS GRÁTIS

Litecoin Miner - Mine and Earn free Litecoin

domingo, 13 de dezembro de 2009

ALAVANQUE DE FORMA CONSCIENTE



O Marketing de Rede possibilita a você alavancar sobre o esforço de muitos. É aí que está a ciência do resultado. Mas nada disso ocorre da noite para o dia. As coisas levam tempo para acontecer e maturar. Existe uma curva de aprendizado. Existe o tempo da duplicação. Aprenda com seus erros, pois eles são necessários para o seu desenvolvimento profissional. Ter medo de errar é o mesmo que se sentenciar ao fracasso. Ter sucesso é passar pelos erros de forma inteligente. Compreenda isso tudo, acompanhe e registre seus progressos. Seja consciente.

"Por maior que seja o talento ou o esforço, algumas coisas exigem tempo: não dá para produzir um bebê em um mês engravidando nove mulheres" -- Warren Buffet

Usar sistemas de duplicação que dêem resultado significa realmente seguir o que eles dizem e não teimar fazendo o que você decide fazer dentro do que eles dizem. Só que aprender a fazer o simples requer tempo, porque infelizmente a teimosia em fazer algo do seu jeito vai freiá-lo nessa profissão até você descobrir que é só fazer o que lhe é dito a fazer. A menos que você não se identifique com o sistema de duplicação, faça o que é dito para ser feito. Se você não gostar, busque outro sistema que lhe agrade e faça exatamente o que é dito.

Ricardo Guimarães.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

DICIONÁRIO DO MMN


- Dowline - linha descendente - todos os membros que compõem a equipe que está abaixo de uma determinada pessoa

- Upline - linha ascendente - todos os membros em cadeia (caminho encadeado mais curto) que antecedem uma determinada pessoa

- Compressão Dinâmica - dispositivo que visa repovoar a organização preenchendo os espaços causados por não compra do produto (inatividade)

- Breakaway ou breakage - dispositivo que faz com que parte da sua organização deixe de ser sua downline caso ela atinja determinada pontuação (mecanismo obsoleto e muito criticado0

- Matriz Forçada - modelo de organização que prevê uma matriz onde as posições são previamente definidas e devem ser preenchidas em sequência

- Unilevel - modelo de organização similar às estruturas organizacionais das empresas e das forças armadas.

- Binário - modelo de organização onde cada empreendedor tem ligado a si somente duas posições descendentes, uma à esquerda e outra à direita;

- Binário Híbrido - modelo de compensação que se baseia no modelo de organização binário, mas que contém dispositivos para compensação que se baseiam no modelo unilevel, onde é analisada a sequência do patrocínio pessoal (que pode não ser contínua) e não a sequência de inscrição na rede.

- Derramamento - spill over - define no sistema binário as entradas que ocorrem na organização abaixo de um determinado indivíduo que são resultandes de cadastramentos efetuados pela linha ascendente.

- Perna maior, perna menor - dentro do sistema binário, define qual das duas linhas descendentes contem mais ou menos pontos respectivamente gerados por movimentação de produtos.

Patrocinador - sponsor - aquele que é o responsável pela inscrição do novo membro e que é seu ponto de entrada na organização

Patrocinado - sponsored - aquele indivíduo que foi trazido por você para o negócio.

cross-line - (linha cruzada) pessoas que fazem parte da mesma empresa, mas que não são sua linha ascendente nem descendente.

Taxa de inscrição - registration fee - valor cobrado a título de registro numa empresa. Nos paises com legislação mais desenvolvida sobre o MMM, não é permitida a remuneração na rede a partir dessa taxa, ou do contrário o sistema é taxado como pirâmide financeira (crime). No Brasil não temos leis específicas por enquanto, o que dá margem a empresas operarem na legalidade, mas mascararem uma atividade geralmente muito questionável.


Ricardo Guimarães.

domingo, 6 de dezembro de 2009

COSMÉTICOS NA VENDA DIRETA



Por Marcelo Alves

Pode parecer para­doxal dizer que um sistema tão clássico e popular como a venda direta tem se reinventado constantemente, sofisticando seus processos e conceitos para manter e ampliar suas vantagens no acesso aos consumidores. Paradoxal, porque algumas de suas principais pe­culiaridades ‑ seu apelo popular como atividade comercial autôno­ma (diferente de "informal" ou "ilegal") e o grande poder de pulverização na distribuição de pro­dutos ‑ caracterizam, para muitos, a venda direta como um sistema de vendas "simples" ou até "sim­plório". Mas, efetivamente, "simples" não quer dizer "simplório"... Desde a chegada da Avon ao Bra­sil, há 45 anos, a venda direta de cosméticos vem construindo uma história de sucesso, ampliada pela atuação de diversas empresas, tan­to nacionais quanto multinacio­nais, que vêm explorando todo seu potencial, posicionando o Brasil entre os dez maiores e melhores mercados para a Venda Direta no mundo, registrando uma média de crescimento da ordem de 15% ao ano há, pelo menos, cinco anos. Diferentemente da distribuição do mercado de venda direta em paí­ses da Europa e nos EUA ‑ onde a participação percentual dos cos­méticos é mais equilibrada em re­lação a outros segmentos como "Uso Pessoal", "Acessórios", "Vestu­ário", "Serviços", "Suplementos Nutricionais" e "Produtos para o Lar" (para citar apenas os mais sig­nificativos), no Brasil, os cosméti­cos dominam o mercado de venda direta, representando com larga vantagem o maior e o mais bem­ sucedido percentual em vendas na estratificação de nichos que utili­zam o sistema. Essa alta representatividade histó­rica dos cosméticos na venda dire­ta brasileira é sintomática para o setor, em comparação com o vare­jo, e evidencia os diferenciais mais importantes na atuação das em­presas desse segmento. Trata‑se de um conjunto de movimentos es­tratégicos cada vez mais elabora­dos, como você confere no qua­dro abaixo. Listados assim, todos esses diferenciais até parecem uma lista básica de "Melhores Práti­cas"... Mas é simplesmente o apa­nhado real dos esforços que as empresas mais representativas da venda direta têm efetivamente empreendido para obter o cresci­mento que, todo dia, é evidencia­do nas matérias da mídia. Na ver­dade, as empresas de cosméticos que atuam na venda direta enten­deram a equação do sucesso: em um cenário de tendências à redu­ção do emprego (mas não do tra­balho), elas usaram processos de fortalecimento de marca para cri­ar para os consumidores produtos marcantes, atuais e de forte apelo conceitual, comercializados por meio de um modelo de negócio que oferece oportunidades acessí­veis de aplicação dos conceitos de empreendedorismo, atendendo às necessidades de crescimento pes­soal de seu canal, de atendimento personalizado e de conveniência tão valorizados pelos consumidores. É assim, com toda essa sofisticação estratégica (ainda que continue sendo considerada por algumas pessoas um sistema comercial "tra­dicional" ou até mais "simples" e "popular") que a venda direta de cosméticos se renova e consolida sua posição como um canal de venda cada vez mais poderoso e extremamente eficiente, um exem­plo a ser seguido nesta época de acirrada concorrência e consumi­dores cada vez mais ariscos...

Marcelo Alves é Diretor de Projetos e consultor da DirectBiz Consultants, empresa de consultoria especializada no desenvolvimento de negócios de Vendas Diretas (www.directbiz.com.br).

Alguns dos fatores que entram na "equação de sucesso" da venda direta

Visão estratégica de equipes internas de planejamento de mercado, voltadas a desenvolver e estudar indicadores de produtividade cada vez mais precisos para entender os ciclos de vida do seu canal de revendedores (o motor da venda direta), e saber como aplicar, de forma racional, recursos que alavanquem seus resultados na atuação junto aos consumidores.

Uma dinâmica de processos co­merciais extremamente ágil, que permite criar regras de negócio que flexibilizam desde os períodos de vendas e mix de produtos até as estratégias promocionais, criando diferenciais de atratividade para os itens comercializados e de acesso dos revendedores aos consumidores.

Mobilidade para adotar formas alternativas e criativas de constituir força de vendas e atrair o canal autônomo.

Políticas agressivas de remune­ração da força de vendas, o principal elo na estrutura comercial entre o mercado e a empresa, responsável pela construção e produtividade do canal de revendedores autônomos.

Criatividade no desenvolvimento da comunicação, respeitando as diferentes lin­guagens para públicos específicos (clientes, revendedores e força de vendas), amparada por investimentos crescentes, cada vez mais estratégicos nessa área.

Investimentos e processos especí­ficos de capacitação (treinamento) do canal autônomo e da força de vendas, fundamental para a disseminação correta das características e diferenciais dos produtos e também para garantir as práticas de serviço e atendimento personalizado tão valorizadas pelo consumidor atual ‑ o que, em uma relação comercial baseada no contato pessoa a pessoa e nos locais e horários da conveniência do cliente, ganha ares de excelência para empresas de um mercado tão competitivo e amplo como o de cosméticos.

Sintonia entre o Marketing de Produ­to / P&D não só com as tendências globais, mas com os inputs locais das necessidades dos consumidores, trazidos de forma muito ágil pelo canal de revendedores.

Redução estratégica do ciclo de vida dos produtos (acelerando o giro do mix e o atendimento das necessidades do mercado consumidor), mas sempre alinhada com as tendências mundiais de cores, fragrâncias, texturas, embalagem, princípios ativos, matérias‑primas e posicionamento de preço.

Compostos promocionais atraentes e de curta duração voltados para neces­sidades específicas do canal (lucrati­vidade, vantagens comerciais) e valori­zação do mix para o consumidor (benefícios do uso, descontos, atualização tecnológica).

Depuração dos conceitos de mar­keting, expandindo‑os para além dos produtos e envolvendo, de forma pioneira, o canal de vendas e seus serviços.

Otimização dos processos internos de captação de pedidos e cadastros, fatu­ramento,separação e toda a logística do ciclo do pedido, focando na velocidade de atendimento a Vendas e na garantia de satisfação no pós‑venda ‑ processos críticos quando se analisa o nível de cobertura geográfica de mercado que esse sistema possibilita.

Apelo da atividade de revenda e do atendimento ao consumidor orientados pelas necessidades básicas do ser humano: capacitação, oportunidade, crescimento pessoal, reconhecimento, autonomia finan­ceira, empreendedorismo, liberdade de escolha, atendimento personalizado.

Preocupação crescente com temas como responsabilidade social, meio ambiente e biodiversidade, fortalecendo a relação da sociedade com as marcas.

Excelência nos processos internos de registro e controle de resultados diários, maximizando a tecnologia da informação a serviço da tomada de decisão na área comercial, cada vez mais capacitada na gestão de equipes.

sábado, 5 de dezembro de 2009

6 Passos Para Um Negócio Online Eficaz




A criação e execução de um negócio on-line eficaz, é composta de várias centenas de passos, ao invés de 6, mas isso vai servir como um guia para a direção de seus esforços. Ao contrário do que você pode ouvir desenfreadamente na internet, não é fácil, nem rápido ficar rico na web. Não só é cada negócio diferente, tanto como o que funciona para uma pessoa num mês pode não funcionar para outra pessoa ou no próximo mês.

A Internet está mudando constantemente, e o mercado é inerentemente diferente este ano do que era no ano passado. Novas melhorias tecnológicas ocorrem mensalmente, que impactam o ambiente de negócios online. O que funciona para um indivíduo quando ele é o primeiro a vender um determinado produto, de certa forma pode simplesmente não trabalhar seis meses depois, quando ele vendeu a sua idéia para 40.000 outros comerciantes, e todas eles começam a promovê-lo. Táticas de geração de tráfego são significativamente diferentes do que eram apenas um ano atrás, e dificilmente se assemelham às estratégias rentáveis de há três anos.

Estas são apenas 6 etapas do esqueleto que tem que acontecer para o seu negócio on-line ser bem sucedido. Elas são fundamentais e, embora as estratégias de implementação sejam diferentes hoje do que há alguns anos, os passos básicos permanecem os mesmos.

1. Desenvolver ou descobrir um produto. Você deve encontrar um produto que atenda às necessidades de hoje. Um produto com 5 anos de idade, cujos direitos revender você pode comprar por um dólar ou obter gratuitamente provavelmente não vai satisfazer as necessidades dos consumidores de hoje. Você deve estar disposto a pagar os direitos de vender um produto, atual útil, ou tornar-se um afiliado, onde você promove um produto popular, e em troca recebe uma percentagem da receita da venda. Considere consultar os meus produtos e adquira os direitos de revenda.

2. Determinar como os potenciais clientes podem visualizar o seu produto e ver uma apresentação de vendas. Se você desenvolver seu próprio produto ou comprar os direitos de venda de outra pessoa, você precisa de um website. Algumas dicas aqui: Ao invés de aceitar a hospedagem gratuita na web, comprar o seu próprio nome de domínio e pagar para ter seu nome de domínio e site hospedado por uma empresa de hospedagem web profissional com uma história respeitável. Se a sua empresa de hospedagem gratuita na web vai à falência, eles geralmente levam o seu novo negócio com eles.

3. Depois de ter seu web site em funcionamento, a menos que você estiver usando um programa de afiliados que fornece uma página de vendas, você deve desenvolver um script de venda e cópia da web. Além de seu web hosting, esta é provavelmente a coisa mais importante que você pode fazer. Você pode ser tentado em primeiro lugar a escrever um script de venda por conta própria, mas a menos que você já tenha muita experiência no mercado offline a escrever cartas eficazes de vendas, é necessário, absolutamente necessário, investir em alguns cursos sobre direitos autorais na web como por exemplo o Magnet Copy. Esteja disposto a gastar algum dinheiro em aprender esta habilidade. Muitos comerciantes tentam improvisar nesta área e após alguns meses de perder dinheiro na internet, finalmente, resolvem adquirir o conhecimento para escrever um bom script de vendas. Faça ao contrário, comprar primeiro conhecimento, e começar a fazer as vendas desde o início. Os clientes não compram só porque você tem um web site — querem comprar no site que faz o melhor trabalho de convencê-los que tem o melhor produto para sua necessidade.

4. Você deve desenvolver uma fonte de tráfego que realmente trabalha. Quando você começar, você pode estar com pouco dinheiro. Supondo que você está disposto a gastar algum dinheiro em vendas, na carta escrita e um host decente, você pode ser capaz de poupar na arena de tráfego por algum tempo, se você tem tempo de sobra. Se você não tem dinheiro para fazer propaganda, nem tempo para procurar a publicidade de baixo custo, provavelmente você não deve tentar um negócio on-line. Se você optar por ir a baixo custo, saiba duas coisas de frente, os retornos são realmente baixos e você vai gastar enormes quantidades de tempo na geração de tráfego. Uma vez que você começar a fazer vendas, você deve investir os seus rendimentos em formas de geração de tráfego. Se você não fizer isso, você vai ficar sem entusiasmo para gerar o tráfego livre e sem reinvestimento dos rendimentos de suas primeiras vendas em publicidade, é quase certo que vai falhar. Boas fontes de baixo custo, mas o tráfego é moroso são: escrever artigos e publicá-los nos diretórios de artigos, anúncios classificados e anúncios do e-zine. Você pode ter anúncios para milhares de visitantes a um custo baixo como milhões de banners por um preço razoável, ambos os métodos podem ter trabalhado 2 anos atrás, mas eles são um desperdício hoje.

5. Uma vez que você começar a receber o tráfego para o seu site de negócios on-line, você deve manter registros detalhados de onde o tráfego vem, e qual a percentagem de visitantes de cada fonte que estão comprando o seu produto. Ao acompanhar as suas despesas em cada tipo de visitante e pelo acompanhamento de seu rendimento nas mesmas fontes de visitantes, você pode determinar que as campanhas precisam de alterações ou que precisam ser eliminadas e que precisam ter aumento de intensidade.

6. Seguindo esse padrão, e por manter registros (o google analytics é o melhor sistema de rastreamento no mercado), você pode desenvolver um negócio na internet rentável. Novamente, isso não vai acontecer durante a noite, e você não vai ficar rico rapidamente. No entanto, se você construir um negócio com uma base sólida, e está disposto a gastar algum dinheiro aprendendo como fazer isso direito, você realmente pode se tornar bem sucedido na internet.

domingo, 29 de novembro de 2009

Os 12 Maiores Atributos da Liderança

“Liderança” é um tema que vem sendo discutido desde os mais remotos tempos pelo homem. Ser líder, formar líderes, parece ser um desafio constante do homem e das organizações. Aqui vão alguns resultados de pesquisa feitas na Europa com mais de 500 executivos de todos os tipos de indústria. Essa pesquisa é muito interessante. Ela mostra coisas simples, objetivas e fornece conselhos úteis para todos nós que desejamos vencer, alcançar o sucesso pessoal e profissional.
Espero que a leitura atenta destas descobertas e seus comentários possam trazer benefícios reais aos leitores.


1. DISPOSIÇÃO PARA TENTAR O QUE NÃO FOI TENTADO ANTES

Nenhum empregado deseja ser guiado por um administrador a quem falte coragem e auto-confiança. É o estilo de liderança positiva aquele que ousa nas tarefas e se vale de oportunidades não tentadas anteriormente.
Um Gerente de Vendas bem sucedido irá às ruas e venderá junto com seus vendedores quando o mercado está difícil ou quando o pessoal de vendas encontra-se sob extrema pressão . Tal gerente sabe que se arrisca a tornar-se impopular. Contudo, ao liderar pelo exemplo, manterá a motivação da equipe.


2. AUTO-MOTIVAÇÃO

O Gerente que não consegue se auto-motivar não tem a menor chance de ser capaz de motivar os outros.


3. UMA PERCEPÇÃO AGUDA DO QUE É JUSTO

Esta é uma grande qualidade de um líder eficaz e a fim de ter o respeito da equipe, o gerente deve ser sensível ao que é direito e justo. O estilo de liderança segundo o qual todos são tratados de forma justa e igual sempre cria uma sensação de segurança. Isso é extremamente construtivo e um grande fator de nivelamento.


4. PLANOS DEFINIDOS

O líder motivado sempre tem objetivos claros e definidos e planejou a realização de seus objetivos. Ele planeja o trabalho e depois trabalha o seu plano com a participação de seus subordinados.


5. PERSEVERANÇA NAS DECISÕES

O gerente que vacila no processo decisório mostra que não está certo de si mesmo, ao passo que um líder eficaz decide depois de ter feito suficientes considerações preliminares sobre o problema. Ele considera mesmo a possibilidade de a decisão que está sendo tomada vir a se revelar errada.
Muitas pessoas que tomam decisões erram algumas vezes. Entretanto, isto não diminui o respeito que os seguidores têm por elas. Sejamos realistas: um gerente pode tomar decisões certas, mas um líder eficaz decide e mostra sua convicção e crença na decisão ao manter-se fiel a ela, sabendo, no entanto, reconhecer quando erra. Assim, seu pessoal tem força para sustentar aquela decisão junto com o gerente.


6. O HÁBITO DE FAZER MAIS DO QUE AQUILO PELO QUAL SE É PAGO

Um dos ônus da liderança é a disposição para fazer mais do que é exigido do pessoal. O gerente que chega antes dos empregados e que deixa o serviço depois deles é um exemplo deste atributo de liderança.


7. UMA PERSONALIDADE POSITIVA

As pessoas respeitam tal qualidade. Ela inspira confiança e também constrói e mantém uma equipe com entusiasmo.


8. EMPATIA

O líder de sucesso deve possuir a capacidade de colocar-se no lugar de seu pessoal, de ser capaz de ver o mundo pelo lado das outras pessoas. Ele não precisa concordar com essa visão, mas deve ser capaz de entender como as pessoas se sentem e compreender seus pontos de vista.


9. DOMÍNIO DOS DETALHES

O líder bem sucedido entende e executa cada detalhe do seu trabalho e, é evidente, dispõe de conhecimento e habilidade para dominar as responsabilidades inerentes à sua posição.


10. DISPOSIÇÃO PARA ASSUMIR PLENA RESPONSABILIDADE

Outro ônus da liderança é assumir responsabilidade pelos erros de seus seguidores. Caso um subalterno cometa um erro, talvez por incompetência, o líder deve considerar que foi ele quem falhou. Se o líder tentar mudar a direção dessa responsabilidade, não continuará liderando e dará insegurança a seus seguidores.
O clichê do líder é: "A responsabilidade é minha".


11. DUPLICAÇÃO

O líder de sucesso está sempre procurando maneiras de espelhar suas habilidades em outras pessoas. Dessa forma ele faz os outros evoluírem e é capaz de "estar em muitos lugares diferentes ao mesmo tempo".
Talvez este seja um dos maiores atributos de um líder: ser capaz de desenvolver outros líderes. Pode-se julgar um líder pelo número de pessoas em que ele refletiu os seus talentos e fez evoluir.


12. UMA PROFUNDA CRENÇA EM SEUS PRINCÍPIOS

A expressão "A menos que batalhemos por alguma causa, nos deixaremos levar por qualquer causa" resume bem a importância de ter-se uma causa pela qual valha a pena viver e trabalhar. Nada cuja aquisição tenha valor é muito fácil. O líder de sucesso tem a determinação de atingir objetivos não importando os obstáculos que surjam pelo caminho. Ele acredita no que está fazendo com a determinação de batalhar por sua realização.

Minha sugestão é a de que você leia uma, duas ou três vezes cada um desses atributos e medite cada um deles à luz de sua própria realidade como um profissional que tem a função de gerenciar, comandar, liderar pessoas. Detenha-se sobre cada um dos atributos e dê a você mesmo uma nota de zero a 10 em cada um deles, fazendo um propósito de auto-aperfeiçoamento. Repita essa auto-avaliação semanalmente. Pense nisso. Sucesso!

10 DICAS PARA SER ENTUSIASMADO

1. Afaste-se de pessoas e fatos negativos;

2. Valorize suas idéias e intuição. Acredite em você!

3. Não reclame. Não fale mal dos outros;

4. Cultive o bom humor, o sorriso, a alegria;

5. Ouça agressivamente. Dê atenção às pessoas;

6. Estenda a mão aos outros. Coopere. Participe;

7. Comprometa-se. Faça mais do que esperam de você;

8. Faça tudo com atenção aos detalhes;

9. Cuide-se. Vista-se bem. Goste de sua imagem;

10. Não chore. Decida-se a mudar a realidade. Aja!

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Vendas diretas movimentam R$ 18 bi


No último ano, segundo a ABECD, o setor incrementou o faturamento em 14,1% frente a 2007

Temida por vários setores da economia, a crise mundial está longe de prejudicar a performance das vendas diretas no Brasil. Conforme a Associação Brasileira de Vendas Diretas (ABEVD), o segmento registrou em 2008 o crescimento nominal de 14,1%, movimentando R$ 18,5 bilhões. Considerando o último trimestre, quando a desaceleração da atividade econômica começou a dar sinais no País, o número de itens comercializados, entre produtos e serviços, chegou a 444 milhões, superando em 12,5% o resultado no mesmo período de 2007.

Segundo a ABEVD, nos últimos doze meses, foram vendidos mais de 1,5 bilhão de itens (alta de 11,3%). O segmento encerrou o ano com um contingente de 2 milhões de revendedores ativos, superando em 7,2% a marca obtida há um ano. A expansão do canal de vendas somada ao aumento da venda média de cada revendedor são apontados como fatores de alavancagem do setor.

A perspectiva da ABEVD é manter o crescimento em dois dígitos. Para o presidente da entidade, Lírio Cipriani, as vendas diretas não apresentam sinais de impacto diante da crise mundial, devido a não operar com base no crédito.

A representante de uma empresa de vendas diretas, Juliana Menezes, 31 anos encara a crise como oportunidade. ´Em tempos de crise as pessoas ficam mais abertas a um plano B´, diz a vendedora, que continua ampliando o seu faturamento em 2009. Várias outras empresas que atuam em vendas diretas, confirmam que o mercado se mantém aquecido. A consultora Edna Carvalho, que vende Avon há nove anos e Natura há três, afirma que suas vendas de 2008 não sentiram reflexos da crise. ´Foi um ano muito bom e os pedidos até cresceram no fim do ano, quando começou a se falar mais da crise aqui no Brasil´, diz.
Distribuidores da Inspiração Perfumes e Cosméticos afirmaram que as suas vendas cresceram bastante nos últimos meses.

Maior fabricante brasileira de cosméticos que atua no ramo de venda direta no Brasil, cresceu, no ano passado, 17,7% ante 2007. Sua receita líquida atingiu R$ 3,6 bilhões e o lucro líquido foi de R$ 542,2 milhões (17,3% maior). A empresa terminou o ano com saldo em caixa de R$ 350,5 milhões. O número de consultoras no Brasil e no Exterior somou 850 mil ao fim de 2008, revelando um aumento de 18,2% sobre os 719 mil de 2007. No segundo semestre do ano passado a receita líquida no Brasil evoluiu 20,7%, enquanto no primeiro semestre havia crescido 11,1%. Para a empresa, os números positivos são reflexos dos investimentos adicionais em marketing de R$ 400 milhões para o período 2008-2010.

A receita líquida apenas na operação Brasil foi de R$ 3,4 bilhões com crescimento de 16,3% em relação a 2007. Diante do cenário de crise, a empresa garante que manterá o foco no plano de crescimento e nas evoluções do modelo de gestão. “Vivemos uma crise econômica global que, de uma forma ou de outra, afetará os diversos setores da economia. No entanto, temos motivos para estar confiantes, pois possuímos fundamentos sólidos”,afirma Alessandro Carlucci, diretor-presidente da Natura.

Já outra empresa no setor de suplementos ampliou participação no mercado nordestino. De 2007 para 2008, a participação da empresa na Região passou de 22,5% para 26,7%. Em volume de vendas da Companhia, o Nordeste apresentou no ano passado crescimento de 27,8%.

domingo, 15 de novembro de 2009

O LADO BOM DA CONCORRENCIA




Concorrência, geralmente uma palavra que soa com um tom “negativo”. O concorrente sempre traz problemas, atrapalha as nossas vidas, nos dá dor de cabeça, mas espere aí!

Não tem nada de bom nisso? Acredite ou não a concorrência tem o seu lado bom.

Se não fosse os concorrentes não teríamos a necessidade de aperfeiçoar os nossos processos, produtos ou serviços.

É o concorrente que obriga você a ser melhor do que hoje. Por que você sabe que se não melhorar e desenvolver, ele melhora e desenvolve no seu lugar.

Vamos imaginar uma concorrência entre alguns funcionários de uma empresa para preencher o cargo de diretor. Você vai medir, avaliar, verificar quais são as suas chances para conseguir a vaga, e vai comparar-se com os seus concorrentes, quanto a conhecimento, experiência entre outras qualidades.

Caso você queira muito a vaga e reconhece que um dos seus concorrentes possui um certo conhecimento a mais que você, tenho certeza que você vai buscar maneiras de adquirir conhecimentos superioriores ao do seu adversário, ou seja, o seu adversário esta fazendo você tornar-se melhor do que é hoje, esta exigindo que você cresça profissionalmente.

Isso também vale para empresas que concorrem pela mesma fatia de mercado, procurando atender seu clientes da melhor maneira possível.

Claro que não podemos levar em consideração que a concorrência é um mar de rosas, mas tudo tem o seu lado bom e o seu lado ruim, depende de qual ângulo você esta enxergando.

COMO SE TORNAR UM BOM LÍDER


Uma parte importante do sucesso na vida é a capacidade de liderança. É importante não só ser capaz de liderar os outros, mas estar disposto a liderara nós mesmos. Ninguém é bem sucedido na vida, bastando seguir os outros. Às vezes nós simplesmente devemos encontrar um caminho novo e ousado para nós mesmos.

Ser um bom líder é mais do que simplesmente estar na linha da frente da multidão. Um líder deve agir. Demasiadas vezes, nós simplesmente aceitamos que alguém olha ou parece como um líder e muito raramente é que vamos realmente olhar para as ações que realiza esse líder – e esse é o verdadeiro teste de liderança.

No entanto, para se tornarem bons líderes de nós mesmos, precisamos nos concentrar em ações ao invés de aparências simples. O título deste artigo refere-se oito etapas, mas não pense em como essas medidas progressistas sejam como tantas receitas ou manuais de instrução que simplesmente descrevem. Em vez disso, pense em tomar essas ações que você deve fazer em uma base regular.

Em primeiro lugar, esteja alerta para novas oportunidades. “Realidade” não é absoluto, mas sim sujeito a constantes mudanças. Pense sobre os inventores, exploradores, e os agentes de mudança social que tenham alcançado a grandeza. Alguns poderiam dizer simplesmente que certas pessoas são bem sucedidas porque eles têm a sorte de estar no lugar certo no momento certo. Talvez sim, mas se eles não tinham os olhos abertos para a oportunidade, então não teria importância se eles estivessem no lugar certo.

Em segundo lugar, aceitar a inspiração de onde ela vem, mesmo que seja dos seus adversários. O sábio líder constantemente estuda a sua concorrência. Na guerra, política, negócios, estamos constantemente a ver exemplos de pesquisa e reconhecimento. Demasiadas vezes num determinado estudo, concentram muitos em encontrar uma fraqueza para explorar. Se você quiser ser um líder não seja vítima dessa tendência. Em vez disso, se você encontrar um ponto fraco, certifique-se de evitar essa cilada mesmo. Se você encontrar a força, em seguida, encontrar uma maneira de fortalecer suas próprias qualidades para corresponder.

Em terceiro lugar, aprender algo novo e promova de novas maneiras todos os dias. Isto significa que você deve procurar continuamente a expandir seus horizontes, internamente e externamente. Alimente sua mente com novas lições e conhecimentos, mas constantemente amplie seus horizontes sociais. Procurar e conhecer novas pessoas e mergulhar em novas situações sociais. Você nunca sabe quando essas novas experiências irão ajudá-lo em seu papel de liderança.

Quarta pesquisa, e encontre respostas em pistas sutis. Procure abaixo da superfície. Esta é uma extensão da terceira etapa em que você está buscando novos conhecimentos. Mas isso também significa que você terá que pisar fora dos caminhos tradicionais do conhecimento. Não basta ler livros no cânone literário ou a lista de best-sellers ou ir a seminários, não há mais espaço para perguntas e debate. Procure os pensadores não convencionais, professores e escritores.

Em quinto lugar, se não improvisar, soluções existentes estão disponíveis. Sem desculpas. A necessidade é a mãe da invenção. Como você sabe que não vai funcionar se você nunca tentou isso antes? Lembre-se, nem todas as abordagens devem vir pela frente. Olhe para o seu problema de todos os lados e seja sistemático em fazer tentativa de soluções diferentes em várias combinações.

Seis, fazer pelo menos uma pessoa que gosta feliz todos os dias. Se você fizer questão de ser racional e cuidar de uma pessoa a cada dia, em seguida, logo este comportamento de cuidar se torne um hábito e que o hábito vai se espalhar para os outros ao seu redor. Fazer alguém feliz também alimenta a sua própria felicidade pessoal. Basta imaginar o quão melhor o mundo seria se todos nós fizemos um pouco mais para espalhar a felicidade.

Sete, oferecer ajuda, mesmo quando não há aparente vantagem para você. Isto significa mais do que escrever um cheque. Significa dar do seu tempo e energia de si mesmo. Às vezes isso significa ajudar alguém que você não conhece e às vezes pode ser uma ação muito pessoal.

Finalmente, nunca deixe a negatividade ser sua última palavra sobre o assunto. Se as suas palavras finais são negativas que não importa o quanto você pode estar esperançoso sobre o potencial de um projeto ou ação duradoura a impressão que você dá aos outros é uma ação de negatividade. Acentuar os aspectos positivos e que são mais propensos a ver um resultado positivo.

Se você seguir estas oito etapas da ação, não só você será um líder melhor, mas também a si mesmo para uma vida mais bem sucedida.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Como podemos ajudar pessoas a criarem sua Visão?



Penso que uma visão não é algo que possamos ajudar pessoas a criarem, é algo que elas já possuem.

Ela vem para todos nós num momento em nossa juventude. No entanto, a maioria escondeu sua visão em
si mesma. Com o passar do tempo, elas ocultaram com camadas protetoras de crenças e limitações
baseadas nas dificuldades e durezas de suas experiências vividas.

Elas literalmente se protegeram de se abrir para o que a vida possa oferecer, ou mais importante
ainda, do que elas têm a oferecer para a vida.

Essas crenças auto-limitantes também são baseadas em permitir-lhes aceitar e viver as verdades e
crenças dos outros. Isso inclui os modismos ("se você não se junta você é estranho"), seus
parentes ("siga seus sonhos filho mas faça de forma segura e tenha uma carreira primeiro"), as
instituições ("adoramos a criatividade mas faça do nosso jeito ou ..."), os Governos ("confie em
nós") e por aí vai.

Consequentemente elas seguem pela vida numa direção que é geralmente diferente daquela da sua
visão.

A boa notícia é, a visão delas continua lá! Tudo o que é preciso é ajudar a encontrá-la e
reacender a chama.



Ajudando as pessoas a redescobrir suas visões

Umas das coisas mais positivas sobre o método do GrupoBRio é que você pode ajudar as pessoas a
redescobrir suas visões, de forma que elas possam ver, saborear, ouvir, e senti-las uma vez mais.

Nesse contexto, existe muita conversa sobre como ajudar seu time a descobrir seu "Por quê".
O melhor momento para ajudar alguém a descobrir seu "Por quê" é antes dessa pessoa juntar-se ao
time, não depois.

O verdadeiro "Por quê" não é sobre o lado lógico de coisas como querer dinheiro, tempo ou
liberdade, ou mesmo a habilidade de ficar em casa e ver o crescimento dos filhos. O verdadeiro
"Por quê" é muito mais profundo do que isso. É uma visão e uma razão subjetiva sob isso que é
própria de cada indivíduo.

Ela ferve sob viver a vida e manter-se no propósito - o sentido do "Por quê eu estou aqui"?

Por isso é que eu incentivo o método BRioso de aproximação para com os parceiros potenciais e
clientes, em oposição ao jogo de números amplamente preconizado. O método do GrupoBRio lhe dá a
oportunidade de crescer seu negócio de forma consistente e sólida, através de entender de que
forma ajudar os outros a encontrar o que eles realmente querem e mantê-los nessa visão.

Se você der tempo para que eles descasquem suas camadas protetoras e redescubram o que está
escondido, possibilitando que eles vejam e sintam suas visões verdadeiras, eles literalmente
internamente irão conduzirem-se e motivarem-se no sentido de explorar a idéia de fazer algo a
respeito.

Nesse meio tempo, você automaticamente cria valor em si mesmo como uma pessoa que os entende e
que os ajudará a materializar suas visões.


Descubra também qual é sua visão

Tão importante quanto descobrir a visão do seu prospecto é o descobrimento da sua visão. Qual o
seu propósito nesse mundo? Transponha-se quando era ainda um(a) garotinho(a) e que tinha seus
sonhos sobre o que gostaria de ser. Ao fazê-lo encontrará uma força surpreendente dentro de você.
Experimente!


O meu por quê

Quando me afiliei ao primeiro programa de MMN, estava de fato buscando os motivos para tirar uma
então namorada do negócio, pois eu queria protegê-la e essa era minha forma de ajudá-la.

Ao pesquisar a empresa a fundo, fazendo uma rigorosa e minusciosa pesquisa que incluiu o site de
patentes americano, institutos de pesquisa e outros pontos a mais, eu tive acesso ao mundo do MMN
por consequência. Daí passei a entender a mecânica, ainda que de forma muito primária, dos
conceitos associados ao modelo.

Fiquei muito entusiasmado com as perspectivas e, como muitos já sabem, passei a me aprofundar nos
conhecimentos de forma sistêmica buscando minha profissionalização. Não medi recursos para
contratar consultoria, palestras, programas, livros e o maior capital nisso tudo foram os meses
dedicados ao estudo, análise e implementação desse conhecimento. A isso chamo experiência
adquirida.

Mas em tudo o que relatei, eu o fiz inicialmente por um propósito: ajudar alguém a sair do
programa de MMN mas efetivamente eu aderi ao programa pelo meu "por quê" que para vocês
compartilho aqui agora.

Tenho um forte desejo de implementar o que denominei Fábrica dos Sonhos.

É um projeto do qual me orgulho muito e encontrei no MMN o meio de levantar os recursos para
implementá-lo.

Trata-se de uma orfanato no qual crianças aprenderão diversos ofícios de nível médio (pintura,
mecânica, elétrica, construção civil, carpintaria, serralheria, artesanato, hotelaria, culinária,
baby-care, enfermagem, entre outras tantas). Esse projeto tem vários aspectos diferenciais e tem
todo um plano estratégico de ser auto-sustentável pois um dia seu mentor irá repousar de vez mas o
projeto não pode morrer com ele.

Por isso eu tenho meus motivadores (minha visão) e desejo que vocês tenham os seus redescobertos,
pois esse é o combustível para mantê-los perseverando e agindo em busca do que acreditam, lhes ser
de direito e concedido pelo direito Divino à felicidade e à prosperidade.


Visão de Walt Disney

Durante os seus últimos dias de vida, Walt Disney recebeu a visita de um graduado funcionário da
Disney. O sujeito veio de disse:

- "Ok Walt, isso é tão terrível, você não vai ver Epcot e Disney World".

E Walt olhou direto nos olhos dele e exclamou:

- "Está brincando comigo? Se eu nunca tivesse visto na minha mente você nunca veria na sua
experiência."

E você, está usando sua visão na sua potencialidade? Está conectado permanentemente na sua visão
na medida que caminha para seus gols e sonhos?

Você tem mais poder do que pensa. Você e eu sabemos que isso é verdade.

Mire-se nesse exemplo do Walt Disney. Just do it! (Apenas faça!)


Por Renato Giglio
Jornalista e Consultor de vendas diretas

domingo, 8 de novembro de 2009

EU NÃO TENHO TEMPO ou EU NÃO TENHO DINHEIRO




Muitas pessoas que se aconselham comigo trazem os seguintes obstáculos como sendo motivos comuns para não ter pessoas aderindo ao seu programa. Eles recebem respostas do tipo: " ... eu adorei seu programa mas não tenho o dinheiro agora" ou " ... não tenho tempo" ou " ... preciso falar com minha mulher..." (ou meu pai, ou ...)

Você certamente já enfrentou uma situação dessas, não é mesmo?

"Eu não tenho o dinheiro" - verdade ou desculpa?

Esta objeção ocorre por 3 motivos:

1) O prospecto realmente não tem o dinheiro. Seu prospecto vive uma situação onde ele está tentando viver entre cada contra-cheque. Suas contas são iguais ao seu salário, ou pior, ele está cada vez mais afundando-se em dívidas. Ou ainda, eles são poupadores disciplinados que guardam dinheiro para montar seu negócio próprio. Eles precisão entender a diferença entre um ativo e um passivo. Um ativo é algo que paga você e um passivo é o que lhe custa algo. Lembre-se, essas pessoas logo no início irão lhe perguntar "quanto custa isso?".

2) Existe uma objeção não expressa. Essa é porta de escape do prospecto. Ao invés de dizer-lhe os verdadeiros motivos, para livrarem-se de vocë eles lhe dizem "Eu não tenho esse dinheiro".


3)Essa é uma desculpa que eles criam para eles próprios quando percebem que estão prestes a tomar uma ação - saindo assim do anzol.

Existe muita similaridade entre o 2 e o 3. A diferença é que o 2 é uma desculpa para você enquanto o 3 é uma desculpa para eles.

"É necessário dinheiro para fazer dinheiro" ou algo parecido passa na cabeça deles e eles acreditam fortemente nisso. Então a forma de enxergar a situação 3 é similar à objeção "eu não tenho tempo".

Assim, de forma a poder realmente ajudar seu prospecto, seu papel é descobrir qual é a verdadeira causa. Tentar lidar com a causa errada pode resultar numa grande confusão. No entanto ao descobrir o verdadeiro motivo você poderá ajudá-lo a superar as dificuldades e alcançar o que eles querem.

Obviamente que precisaremos perguntar ao prospecto qual a verdadeira causa para "eu não tenho o dinheiro". Mas nisso você deverá incluir tudo o que sabe sobre ele. Dinheiro geralmente está relacionado ao orgulho e sondá-lo poderá aborrecê-lo. Assim, faça perguntas GENTILMENTE.


Inclua o que descobriu sobre ele na qualificação

O que eu quero dizer com isso é que durante o processo de qualificação ele disse que queria sair das dívidas, por exemplo, e ele disse que "não tenho o dinheiro", isso é consistente. Então não faz sentido insistir ainda mais e aborrecê-lo. Esse é o número 1.

Agora se durante a qualificação você descobre que ele ganha um bom salário, que quer mais tempo, liberdade e lhe diz "eu não tenho o dinheiro", isso é inconsistente. Ele talvez seja o número 2 e tenha um motivo oculto.


Objeção "eu não tenho tempo"

Tratarei disso oportunamente.


O que você percebeu nesses 3 tipos de recomendações é o real intento de ajudar o prospecto. Se você tem condições de financiar o prospecto 1, pense se não será uma bela oportunidade de fazê-lo.

E para dar um exemplo do número 3, se ele diz "o dinheiro está apertado e não dá pra gastar nisso"; junto com "dinheiro é a raiz de todo o mal".

A verdadeira arte de lidar com essa objeção são as perguntas que você faz e que fazem o prospecto lhe dizer o que está sublinhando a objeção.


Em tempo para falar do tempo

Esse é um dos temas que eu mais gosto de encontrar pela frente. Devo confessar que eu me divirto quando isso ocorre: eu simplesmente adoro!

Aliás, acho que já recomendei em outro lugar que o gostoso é quando as objeções se tornam divertidas. Desejo muito isso a vocês.

Quanto ao tempo eu tenho uma explicação que faço mas aqui terei que ser suscinto.

Digo à pessoa:

Faça um mapa mental dividindo seu dia em 3 partes(a,b,c)

Na primeira parte você tem seu descanso (a). Vamos assumir que você durma 8 hs por dia e que não queremos bagunçar com isso.

Na segunda parte você trabalha (b) 8 hs e é daí que tem seu sustento. Também não queremos bagunçar isso.

Na terceira parte é a única que de fato você gerencia. Ela é usada para suas refeições, seu deslocamento, diversão, socialização, capacitação, relacionamentos familiares e afetivos ou até mesmo para decidir se vai descansar (a) mais ou trabalhar (b) mais.

Ora, como você só gerencia o "c" você precisa alocar prioridades no "c" para conseguir produzir algo que lhe dê mais tempo em "b", pois do contrário será sempre escravo do tempo.

sábado, 7 de novembro de 2009

PRODUTO OU OPORTUNIDADE ?


Como iniciar, com o produto ou com a oportunidade

Essa é uma pergunta muito freqüente que me fazem. Existem duas correntes que tem pensamentos distintos sobre isso. Uma escola prega o produto, a outra que já se tornou um mito, prega que devemos começar com a apresentação do negócio. Eu penso diferente disso e junto-me a uma terceira corrente que prega: dê ao seu prospecto o que ele quer.

Se você está fazendo follow up em uma indicação

Então sugiro que você atenha-se ao que foi indicado (seja produto ou negócio). A menos que o prospecto dê uma pista de estar interessado no outro assunto não mude de assunto pois não faltarão oportunidades futuras para fazer referência ao assunto depois que você já tiver satisfeito as necessidades primárias dele.

Lembre-se que o tempo é escasso e dificilmente podemos abordar tudo como gostaríamos.

Um dos principais problemas dos marketeiros de multinível é falar demais e ouvir de menos.


Conversando com amigos e familiares

Aqui entra se você percebeu a grande necessidade deles baseado na sua convivência com eles e no conhecimento correto das necessidades/circunstâncias atuais.

Por exemplo, se eles ainda sentem um desconfordo de alguma enfermidade você deveria começar um diálogo em torno da história desse assunto de saúde para descobrir qual produto você tem que possa ajudá-los.

Se acontecer de que a mundança do estilo de vida é o assunto, então foque suas perguntas em saber qual é a situação atual de estilo de vida e desejos futuros.

É muito importante chamar sua atenção para não apressar-se em apresentar sua solução muito cedo. A maioria das oportunidades é perdida fazendo isso do que em qualquer outra circunstância que eu conheça.

Apressar em expor sua solução é meramente uma indicação de que você está mais focado nas suas necessidades do que nas deles. O resultado é freqüentemente "não", altos índicies de rejeição e objeção. Agindo apressadamente, você está de volta à mesma situação onde se vê obrigado a usar todas as suas técnicas de lidar com a objeção novamente - é isso mesmo que você busca?


Conversando com estranhos

Conversar com estranhos é fácil. Inicie a conversação sempre que sinta que é apropriado para a ocasião. Por exemplo: se você nota alguem se levantando da cadeira com algum gemido, isso talvez indique que haja algum desconforto físico.

Se você está num negócio de "aliviar desconforto físico", você talvez pergunte "Você está bem?" e faça acompanhamento na extensão do problema com uma pergunta do tipo, " parece que você tem um pequeno desconforto aí?"

É bem provável que você receba uma história curta ou longa sobre qual seja o caso.

Permita-lhe expandir até você descobrir se ele ainda está procurando um alívio para o desconforto e se ele está aberto a receber ajuda.

Muitos estarão e eles estarão prontos a ouvir ou ver sua solução se você não pressioná-los a falar da sua solução muito cedo.

Novamente, não force o assunto de falar sobre sua oportunidade de negócios. Deixe isso para outra hora e isso ocorrerá naturalmente.

Por outro lado, você pode iniciar um diálogo com um desconhecido simplesmente perguntando "Então, como está sendo seu dia?"

"Reprinted with permission from Michael Oliver, Natural Selling® Sales Training http://www.naturalselling.com "

Ricardo Guimarães.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

ENXERGAR


"Um jovem aprendiz empurrou uma pesada porta de madeira, entrou e demorou um pouco para acostumar os olhos com a pouca luminosidade do local de estudo.

Finalmente, ele localizou um ancião sentado atrás de uma enorme escrivaninha.
De forma estranha, apesar do escuro, ele fazia anotações num grande livro, tão velho quanto ele.
O discípulo se aproximou com respeito e perguntou, ansioso pela resposta : "Mestre, qual o sentido da vida? "

O idoso monge permaneceu em silêncio.
Apontou um pedaço de pano, um trapo grosseiro no chão junto à parede.
Depois apontou seu indicador magro para o alto.
Mais do que depressa, o discípulo percebeu que ele apontava para o vidro da janela, cheio de poeira e teias de aranha.
Pegou o pano, subiu em algumas prateleiras de uma pesada estante forrada de livros.

Conseguiu alcançar a vidraça, começou a esfregá-la com força, retirando a sujeira que impedia a transparência.
O sol inundou o aposento e iluminou com sua luz estranhos objetos, instrumentos raros, dezenas de papiros e pergaminhos com misteriosas anotações.

Cheio de alegria, o jovem declarou : "Entendi Mestre! devemos nos livrar de tudo aquilo que não permita o nosso aprendizado. Buscar retirar o pó dos preconceitos e as teias das opiniões que impedem que a luz do conhecimento nos atinja. Só então poderemos enxergar as coisas com mais nitidez".

Fez uma reverência e saiu do aposento, a fim de comunicar aos seus amigos o que aprendera.
Vendo o discípulo se afastando, sorriu levemente e falou para si mesmo: "Mais importante do que aquilo que alguém mostra é o que o outro enxerga. Afinal, eu só queria que ele colocasse o pano no lugar de onde ele havia caído."

Pense em como aquilo que você faz todos os dias esta influenciando os outros. por isso aja sempre no bem!

EM QUE ESTÁGIO VOCE ESTÁ COMO EMPREENDEDOR?



- Conclusões extraídas por Ricardo Guimarães de uma entrevista com o lendário Tom Schreiter (Big Al) em "Entrevista com Milionários" por Chris Zavadowski.

Existem três estágios distintos de distribuidores que atuam em marketing de rede. Cada qual possui características básicas e por isso é fácil identificá-los.

O primeiro estágio se caracteriza por distribuidores que aderiram ao projeto, mas ficam em casa assistindo TV, não fazem nada e ficam esperando as coisas mudarem. Provavelmente você identifique alguém assim na sua organização. Essas pessoas compram o kit, não fazem nada e ficam esperando algo acontecer. Não consigo imaginar que estas pessoas sejam pessoas realizadas, mas provavelmente de alguma forma devam
estar se divertindo com a TV.

O segundo estágio se caracteriza pela “tentativa e erro”. Esses são os que estão há meses no negócio sofrendo por estarem tentando, e sem obter os resultados esperados. É uma fase muito frustrante, pois muita energia é empregada sem a devida recompensa. Não se ganha dinheiro, sente-se rejeição e um sentimento de fracasso acompanha o persistente empreendedor que se recusa à rendição. Não há nada de errado com esse
estágio para aqueles que conseguirem encontrar os meios certos ou que acordarem para sua realidade – isso ocorrendo, eles serão ótimos distribuidores no terceiro estágio, caso contrário será bem provável uma desistência a qualquer momento.

O terceiro estágio é composto pelos empreendedores que buscam o caminho curto. Eles estão em busca de aprender exatamente o que dizer e como dizer. Esses são os líderes ou líderes potenciais. Qual é então o caminho mais curto no marketing de rede? Aprender daqueles que sobreviveram ao segundo estágio e acumularam experiência. Só que essas pessoas foram marcadas pelos arranhões da selva e por vezes carregam essas cicatrizes que as deixam pessoas amarguradas. Daí ser muito mais fácil treinar pessoas que se caracterizem pelo perfil do terceiro estágio, ou seja, elas são ensináveis e não desejam sofrer – elas querem ser bem-sucedidas com menor sofrimento (não necessariamente menor esforço).

Digamos que você vá tentar motivar e treinar o primeiro grupo. É muito provável que não vá ganhar a atenção dessas pessoas, já que elas preferem assistir ao noticiário, novela ou Big Brother. Se você tentar treinar o segundo grupo, eles também não lhe darão atenção, pois continuarão no seu processo de tentativa e erro, podendo até agir rudemente com você. Afinal, o orgulho lhes cega para suas boas intenções.

Já o terceiro grupo é fácil de reconhecer, já que essas pessoas estão sedentas pelo que você tem a ensinar-lhes. Esses distribuidores são os que não estão sempre presentes nas sessões de treinamento, estão constantemente lendo e buscando informações na Internet sobre seus produtos e oportunidade. São eles que ouvem as repetidamente as palestras no carro, lendo os livros indicados por seus mentores e buscando
trocar informações com sua linha ascendente sobre seu desempenho.

Minha recomendação é que você concentre suas energias nos distribuidores que se encontram no terceiro estágio. Sua missão como líder é formar líderes, e não conseguirá seu objetivo se você se concentrar nas pessoas do primeiro e segundo estágio, infelizmente. Daí eu recomendar que você seja criterioso na escolha das pessoas que coloca na sua organização, pois do contrário terá que deixar gente para trás, e a meu ver isso é triste, muito triste, porém absolutamente necessário. Em resumo, foque no seu objetivo que é formar líderes, começando por você mesmo. Adquira os conhecimentos que seu líder possui, absorva dele o que ele tem para lhe dar, pois se ele for um bom líder, é exatamente isso o que ele espera que você faça.

Se você ainda não tem um grupo de pessoas para liderar, então lhe resta prospectar a fim de obter esse grupo de pessoas, para então poder lhes dar o suporte que você recebe.

Um bom teste para saber se você tem um distribuidor que é um líder potencial é lhe dar alguém para ele treinar. Se ele se dedicar a essa pessoa com todo o espírito servidor, é porque ele é um líder potencial. Agora falta ensiná-lo e a cobrar que ele seja bem-sucedido em prospecção para que ele possa ensinar sua equipe a fazer o mesmo.

$ucessos !!

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

VICE-PRESIDENTE DA ABEVD ABORDA O CONCEITO MULTINÍVEL.



As vendas diretas estão em evidência. No primeiro semestre de 2009, cresceram 18,3% em relação ao mesmo período do ano passado, o equivalente a R$ 9,586 bilhões. Foi o que revelou a Associação Brasileira de Vendas Diretas (ABEVD). Descontada a inflação do período, o crescimento real obtido foi da ordem de 12,8%, o que aponta para o vigor que o setor mantém, mesmo no período da crise. Com esses números, não é à toa que o Brasil venha se destacando como um dos mercados mais potentes, incentivando empresas nacionais de outros segmentos a investirem em operações de vendas diretas e despertando o interesse de companhias estrangeiras.

A Federação Mundial das Associações de Vendas Diretas (WFDSA) divulgou, no ano passado, relatório que posicionava o país como o terceiro maior mercado do mundo, na frente da Alemanha e da Coreia e atrás de gigantes como Estados Unidos e Japão. São mais de dois milhões de revendedores, que juntos movimentaram o equivalente a R$ 18 bilhões em 2008. Nos últimos tempos, a ABEVD teve uma expansão significativa no número de empresas associadas, com atuação em diversos setores e variados modelos de negócios. Entre eles, o modelo multinível, também conhecido como marketing de rede, que ganha cada vez mais adeptos. O conceito baseia-se em um modelo de vendas que permite ao revendedor ganhar pela revenda de produtos e ao mesmo tempo desenvolver as organizações comerciais, amplificando ainda mais os ganhos dos revendedores. Em outras palavras, o revendedor torna-se um multiplicador, um líder corresponsável pelo desenvolvimento de sua rede. E tudo isso com um investimento estritamente baixo.

Com esse fator motivacional, que impulsiona o revendedor a recrutar novos profissionais e a treiná-los em troca de participação de lucros, ele se torna um verdadeiro empreendedor. Quanto mais trabalho, maior o ganho. Em vista desse ganho, é cada vez maior o número de pessoas que percebem a oportunidade de renda complementar ou até mesmo passam a se dedicar integralmente às vendas diretas, inclusive trocando carreiras tradicionais. Para as empresas que chegam, é importante dar foco especial ao treinamento de multiplicadores que, posteriormente, treinarão os demais membros da rede e assim sucessivamente. Quando você expõe sua marca por meio de uma rede de revendedores autônomos, afinal, há de se zelar pela apresentação correta do produto ou serviço e pela forma como a informação será passada, lá na ponta, para o consumidor final.

Marcelo Zalcberg é vice-presidente da Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD) e diretor-geral da Herbalife do Brasil.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

COMO ESCOLHER SEU NEGÓCIO E MENTOR ?



Perguntaram-me por outros meios e resolvi colocar essa pergunta aqui.

"Eu me deparo com métodos contraditórios de implementação para minha organização de MMN. Também encontro várias ofertas de empresas. Como é que eu descubro o que é correto?"

Para essa pergunta eu respondo fazendo a mesma citação que um dos mentores que admiro faz. Ele cita Buddah:

"Não acredite em nada meramente por que lhe foi dito. Não acredite no que seu professor lhe diz apenas por respeito a ele. Mas sempre que, depois de devido exame e análise, você descobrir ser gentil, conduzir ao bem, com benefício do bem-estar de todos - creia nessa doutrina, una-se e faça dela seu guia."


Encontre sua própria verdade, aquela que é correta e que funciona para você.

Quanto ao programa ...

- Procure encontrar empresas legalmente constituídas no Brasil
- Que tenham produtos percebidos como de alta qualidade e com demanda para eles e que sejam de consumo, ou seja, devam ser consumidos todos os meses
- Analise o plano de bonificações
- Verifique se não existe breakage, ou seja, que com a saída de alguém não haja desmantelamento da organização
- Verifique se existe compressão dinâmica, ou seja, o bônus não volta para a empresa
- Atente ao investimento inicial - quanto mais alto, mais difícil adesões
- Compare o custo da taxa de adesão com o custo de compras mensais. Quando a taxa de adesão é maior do que o seu custo mensal de permanência no negócio ... suspeite!
- Fique atento à produtos tecnológicos. Se por um lado eles propiciam um rápido crescimento, por outro lado correm risco de obsolescência - faça seu posicionamento consciente
- Verifique se a organização permite que você desenvolva outros programas de MMN
- Avalie o programa de treinamento
- Se possível, experimente o produto antes da adesão
- Verifique como são pagas as bonificações e quais ferramentas na internet estão à sua disposição para controle da sua rede
- Verifique quais recursos de promoção de negócio você terá (panfletos, página pessoal na internet, vídeos de apresentação, etc) e quais custos estão associados
- Analise a concorrência e o mercado
- Peça para conhecer as lideranças
- Fique atento a programas que baseiam a remuneração de seus líderes na venda de material de treinamento e eventos - estes deverão ter o preço para custear despesas apenas
- Observe se o programa permite "placement" - recolocação de empreendedores na organização. Isso é muito importante quando ocorre atrito na linha e também para fins estratégicos. Não é raro um empreendedor ter como patrocinador alguém que não lhe dê apoio e este precisa buscar noutro ponto da organização.


Quanto ao produto

Considere se existe, ou existiria, um mercado para produto, caso o produto fosse vendido fora do sistema de MMN (preço, benefício). Em outras palavras, o produto realmente traz benefícios (fora o financeiro) para alguém? Se a resposta é não, para mim isso é um esquema de recrutamento onde o produto é apenas uma camuflagem para dar aparência legal. Amigos, isso é uma pirâmide disfarçada. Quando você propaga isso, você está propagando um golpe.

Ricardo Guimarães.

MANTENHA A ATENÇÃO NO ALVO


Jesus nunca implorou para que alguém cresse nele. Sabia que a integridade não pode ser provada, ela tem que ser discernida.
Jesus nunca perdeu tempo com os críticos. Manteve a Sua atenção no seu alvo. Permaneceu focalizado. Jesus nunca lutou para parecer bom. Ele era bom. Não se esforçou para parecer sincero. Ele era sincero. Nunca batalhou para ter uma boa reputação. Ele tinha caráter. Toda pessoa bem-sucedida quer ser amada e admirada, mas seus inimigos e críticos nunca deixarão a reputação dela sem mancha ou mácula. Você tem que superar isso. Nunca permita que aquilo que os outros dizem de você mude a sua opinião pessoal sobre si mesmo. Nunca! Jesus não deixou. Jesus nunca permitiu que aquilo que os outros diziam dele mudasse Sua opinião sobre si mesmo... Este foi um dos segredos da liderança de Jesus.
(Mike Murdock)

6 PASSOS PARA NEGÓCIOS ON-LINE



A criação e execução de um negócio on-line eficaz, é composta de várias centenas de passos, ao invés de 6, mas isso vai servir como um guia para a direção de seus esforços. Ao contrário do que você pode ouvir desenfreadamente na internet, não é fácil, nem rápido lucrar com negócios na web. Não só é cada negócio diferente, tanto como o que funciona para uma pessoa num mês pode não funcionar para outra pessoa ou no próximo mês.

A Internet está mudando constantemente, e o mercado é inerentemente diferente este ano do que era no ano passado. Novas melhorias tecnológicas ocorrem mensalmente, que impactam o ambiente de negócios online. O que funciona para um indivíduo quando ele é o primeiro a vender um determinado produto, de certa forma pode simplesmente não trabalhar seis meses depois, quando ele vendeu a sua idéia para 40.000 outros comerciantes, e todas eles começam a promovê-lo. Táticas de geração de tráfego são significativamente diferentes do que eram apenas um ano atrás, e dificilmente se assemelham às estratégias rentáveis de há três anos.

Estas são apenas 6 etapas do esqueleto que tem que acontecer para o seu negócio on-line ser bem sucedido. Elas são fundamentais e, embora as estratégias de implementação sejam diferentes hoje do que há alguns anos, os passos básicos permanecem os mesmos.

1. Desenvolver ou descobrir um produto. Você deve encontrar um produto que atenda às necessidades de hoje. Um produto com 5 anos de idade, cujos direitos revender você pode comprar por um dólar ou obter gratuitamente provavelmente não vai satisfazer as necessidades dos consumidores de hoje. Você deve estar disposto a pagar os direitos de vender um produto, atual útil, ou tornar-se um afiliado, onde você promove um produto popular, e em troca recebe uma percentagem da receita da venda. Considere consultar os meus produtos e adquira os direitos de revenda.

2. Determinar como os potenciais clientes podem visualizar o seu produto e ver uma apresentação de vendas. Se você desenvolver seu próprio produto ou comprar os direitos de venda de outra pessoa, você precisa de um website. Algumas dicas aqui: Ao invés de aceitar a hospedagem gratuita na web, comprar o seu próprio nome de domínio e pagar para ter seu nome de domínio e site hospedado por uma empresa de hospedagem web profissional com uma história respeitável. Se a sua empresa de hospedagem gratuita na web vai à falência, eles geralmente levam o seu novo negócio com eles.

3. Depois de ter seu web site em funcionamento, a menos que você estiver usando um programa de afiliados que fornece uma página de vendas, você deve desenvolver um script de venda e cópia da web. Além de seu web hosting, esta é provavelmente a coisa mais importante que você pode fazer. Você pode ser tentado em primeiro lugar a escrever um script de venda por conta própria, mas a menos que você já tenha muita experiência no mercado offline a escrever cartas eficazes de vendas, é necessário, absolutamente necessário, investir em alguns cursos sobre direitos autorais na web como por exemplo o Magnet Copy. Esteja disposto a gastar algum dinheiro em aprender esta habilidade. Muitos comerciantes tentam improvisar nesta área e após alguns meses de perder dinheiro na internet, finalmente, resolvem adquirir o conhecimento para escrever um bom script de vendas. Faça ao contrário, comprar primeiro conhecimento, e começar a fazer as vendas desde o início. Os clientes não compram só porque você tem um web site — querem comprar no site que faz o melhor trabalho de convencê-los que tem o melhor produto para sua necessidade.

4. Você deve desenvolver uma fonte de tráfego que realmente trabalha. Quando você começar, você pode estar com pouco dinheiro. Supondo que você está disposto a gastar algum dinheiro em vendas, na carta escrita e um host decente, você pode ser capaz de poupar na arena de tráfego por algum tempo, se você tem tempo de sobra. Se você não tem dinheiro para fazer propaganda, nem tempo para procurar a publicidade de baixo custo, provavelmente você não deve tentar um negócio on-line. Se você optar por ir a baixo custo, saiba duas coisas de frente, os retornos são realmente baixos e você vai gastar enormes quantidades de tempo na geração de tráfego. Uma vez que você começar a fazer vendas, você deve investir os seus rendimentos em formas de geração de tráfego. Se você não fizer isso, você vai ficar sem entusiasmo para gerar o tráfego livre e sem reinvestimento dos rendimentos de suas primeiras vendas em publicidade, é quase certo que vai falhar. Boas fontes de baixo custo, mas o tráfego é moroso são: escrever artigos e publicá-los nos diretórios de artigos, anúncios classificados e anúncios do e-zine. Você pode ter anúncios para milhares de visitantes a um custo baixo como milhões de banners por um preço razoável, ambos os métodos podem ter trabalhado 2 anos atrás, mas eles são um desperdício hoje.

5. Uma vez que você começar a receber o tráfego para o seu site de negócios on-line, você deve manter registros detalhados de onde o tráfego vem, e qual a percentagem de visitantes de cada fonte que estão comprando o seu produto. Ao acompanhar as suas despesas em cada tipo de visitante e pelo acompanhamento de seu rendimento nas mesmas fontes de visitantes, você pode determinar que as campanhas precisam de alterações ou que precisam ser eliminadas e que precisam ter aumento de intensidade.

6. Seguindo esse padrão, e por manter registros (o google analytics é o melhor sistema de rastreamento no mercado), você pode desenvolver um negócio na internet rentável. Novamente, isso não vai acontecer durante a noite, e você não vai ficar rico rapidamente. No entanto, se você construir um negócio com uma base sólida, e está disposto a gastar algum dinheiro aprendendo como fazer isso direito, você realmente pode se tornar bem sucedido na internet.

Fonte: Jorge Salgado

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

QUAL É SEU SONHO ?




Viver de música sempre foi o grande sonho de Rafael Barreto. Quem viu o jovem baiano soltando a voz e vencendo o reality show de novos talentos “Ídolos 2008”, da “Rede Record”, nem imagina quantos obstáculos ele teve que superar para alcançar seu maior desejo: ser cantor. Dois anos antes de se ver consagrado em rede nacional, ele perdeu a mãe, que sucumbiu a um câncer, e, 1 ano depois,

ele sofreu um aneurisma, que, por sorte, o deixou sem sequelas neurológicas. “O programa me deu uma visibilidade incrível e eu tenho que aproveitar isso e correr atrás de fincar meu nome no cenário musical. Meu sonho não acabou”, diz o cantor, hoje com CD próprio, que começou a carreira se apresentando, desde os 13 anos de idade, em barzinhos de Salvador (BA), ao lado do irmão mais velho e de um amigo.

Assim como Barreto, não são poucas as histórias de brasileiros, famosos e anônimos, que ultrapassaram os limites da imaginação, arregaçaram as mangas e, com muita determinação, transformaram a fantasia em realidade e concretizaram um sonho. Foi assim com Marcos Evangelista de Moraes, o Cafu, lateral direito e capitão da seleção brasileira de futebol na Copa do Japão, de 2002. Nascido no dia 7 de junho de 1970, dia de jogo decisivo entre “Brasil X Inglaterra”, no Mundial do México, o destino já parecia estar a favor do menino que se destacava pela habilidade com a bola desde pequeno. Mas nada foi fácil. Antes de virar craque, Cafu foi rejeitado nove vezes em peneiras de clubes como São Paulo, Palmeiras, Corinthians e Atlético Mineiro.

Determinação

Cafu, porém, nunca duvidou de seu talento e as reprovações não o fizeram desistir. Hoje, entre seus grandes títulos, estão o tetra e pentacampeonato mundial pela seleção brasileira (1994 e 2002, respectivamente), além de outras conquistas importantes pelo São Paulo e Palmeiras, no País, Real Zaragoza (Espanha) e Milan (Itália). Aposentado, dedica-se atualmente à Fundação Cafu, projeto criado por ele e que incentiva a inclusão social de crianças carentes do Jardim Irene, bairro da periferia da zona sul da capital paulista, onde ele passou a infância, adolescência e boa parte da fase adulta.

E nunca é tarde quando se trata de um sonho.

Há quem corra atrás do ideal mesmo quando a vida já parece ter tomado outro rumo, como os dois engenheiros que gostavam de voar e largaram tudo para virarem pilotos, um de voo duplo de asa delta e o outro de avião; o médico que trocou o

consultório para viver nas montanhas do Nepal; ou a menina talentosa que sonhava ser cantora e hoje é uma das mais respeitadas cantoras líricas do Brasil (veja as histórias de cada um nos quadros em destaque ao longo da matéria).A consultora de Recursos Humanos da empresa de recrutamento profissional Catho, Rosemary Bethancourt, aponta que é um engano pensar que a melhor profissão é aquela que dá mais dinheiro. “Há muitas pessoas ganhando bem e que estão muito infelizes”, analisa.

Para o diretor da empresa de recursos humanos HLCA, Jorge Matos, a maioria das pessoas deveria se preocupar em saber quais são as características de um profissional bem-sucedido e não qual a carreira de mais sucesso. “É fundamental identificar o talento de cada um”, indica.

Segundo o psiquiatra e psicoterapeuta Geraldo Possendoro, as pessoas que conseguem viver do sonho são felizardas, mas ele faz um alerta: “É preciso ter cuidado com o ‘canto da sereia’, com a fascinação extrema por algo. Muitas vezes, as pessoas são devoradas e consumidas por um desejo. Corre-se o risco de deixar para trás outros objetivos importantes, como ter filhos ou construir uma família. De repente, a vida produtiva acaba e o indivíduo pode sentir que tomou a decisão errada.”

Um conselho de quem batalhou pelo sonho e chegou lá é: planejar bem cada passo, calcular os riscos e, principalmente, não achar que, ao alcançar a meta desejada, tudo será um mar de rosas. “É mais fácil enfrentar os percalços fazendo o que se gosta”, pondera a cantora lírica Magda Painno.

O norte-americano Eugene Cernan que o diga. Quando ele era apenas um menino, na década de 30, já tinha uma certeza: seu maior sonho era voar. E, apesar de parecer algo inatingível, Cernan não só não desistiu, como foi além. Após receber a graduação de mestre em ciência da engenharia aeronáutica da Escola de Pós-Graduação Naval dos Estados Unidos e depois de vários anos de trabalho na agência espacial norte-americana Nasa, ele foi para o espaço e se consagrou como o último ser humano a deixar suas pegadas na Lua, durante a missão da Apollo 17, em dezembro de 1972, na sua terceira viagem espacial.

Em depoimentos, o astronauta, hoje com 75 anos, costuma lembrar de quando o então presidente dos Estados Unidos John Kennedy lançou o desafio de enviar o homem à Lua e trazê-lo a salvo, no início da década de 60. “Ele pediu o impossível e nós conseguimos”, diz Cernan, que não tem dúvidas de que hoje é a prova viva de que qualquer sonho é possível.

Fonte: Folha Universal
Por Inahiá Castro
inahia.castro@folhauniversal.com.br

O MARKETING DO SORRISO


Sorrir no ambiente de trabalho anima os colegas e potencializa o status do chefe, indica estudo da escola de direção empresarial da Universidade Bocconi, na Itália, que entrevistou 1.860 funcionários de empresas do país e da França, Alemanha, Reino Unido, Estados Unidos, Rússia e Japão.

Entre eles, 98% declararam utilizar o humor no escritório e 99% garantiram que gostam de bom humor. “O sorriso é uma arma que conquista as pessoas, pois é difícil não sorrir de volta ou ser indelicado com quem está sorrindo.

O gesto cria um ambiente acolhedor e funciona não só quando se tem uma boa notícia, mas também quando as coisas não vão bem”, garante a diretora-presidente da empresa de consultoria e recrutamento brasileira Sec Talentos Humanos, Stefi Maerker, que desenvolveu o conceito de “marketing do sorriso”, que, segundo ela, alivia as tensões do dia a dia, resolve problemas e transpõe barreiras no relacionamento com o próximo.

fonte: Folha Universal
Brasil, 28 de Outubro de 2009

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Detesto levar um “não!” Mas quem gosta?


A palavra “não” vai ser dita e redita milhares de vezes na sua carreira de vendas, por isso é bom você se acostumar a ouvi-la, mas gerar também um inconformismo cada vez que recebê-la.
Acredito que a maioria dos profissionais de vendas ainda não sabe lidar com a objeção e muitos ainda sofrem demais quando recebem um parecer negativo. Ei! A vida não é um mar de rosas, onde só acontecem coisas boas e ninguém é obrigado a comprar de você. É aí que está nosso pior dilema: o cliente não tem obrigação de comprar, mas o vendedor tem a obrigação de vender!

Vamos ver agora como lidar com a objeção de uma forma mais natural e pró-ativa e, quem sabe assim, transformar alguns “nãozinhos” da dona Maricota em um belo “SIM!”.
Descubra a verdadeira objeção. O que será que ele realmente quis dizer com o famoso “não, obrigado!” Será que na verdade “está faltando dinheiro, já tenho prestações demais para pagar, só estou pesquisando, preciso de vários orçamentos para atender a minha empresa, mas já sei de quem vou comprar” ou pior ainda “você e seu produto não ganharam a minha confiança”. Quando o cliente diz “não”, a maioria de nós tem uma atitude conformista e encerra o assunto. Tente descobrir o real motivo para que você possa ter sucesso no próximo encontro. Como? Perguntando, ora bolas! A questão é descobrir o quê realmente está atrapalhando o fechamento.

Esteja preparado. Antes de visitar o cliente procure imaginar quais eventuais objeções podem surgir e PREPARE–SE! A maioria das objeções serão comuns e sempre vão se repetir, então procure sempre novas respostas cada vez melhores para convencer o seu cliente. Esteja preparado em relação aos aspectos técnicos, sugestões e para contar exemplos e mais exemplos de clientes satisfeitos e casos de sucesso.

Ao contrário, pense sempre: Quanto mais “não” eu recebo, mais perto estou de um “sim”
Use táticas de vendas. Para fechar o pedido e se livrar daquela objeção que teima em voltar, nada melhor do que usar as mais variadas técnicas de vendas. Viu só como é importante estar atualizado e participar dos treinamentos que a empresa e seus fornecedores oferecem? Para de reclamar e participe desse tipo de evento com a mente e o coração abertos. Pare de pensar que só a lábia e amizade vendem. A responsabilidade maior pela sua capacidade técnica e de conhecimento é SUA! Por isso, uma vez ou outra, é bom você procurar e se inscrever em cursos de atualização, cursos de graduação e pós-graduação, ler muitos livros e revistas também ajudam.

Não se incomode e tenha autoconfiança. Não fique sofrendo por causa de uma negativa. Ao contrário, pense sempre: quanto mais “não” eu recebo, mais perto estou de um “sim”. Persista. Não desista fácil que uma hora o seu momento vai chegar. Tenha fé em si mesmo e não é por causa de algo que não saiu de acordo com o que você queria que a sua vida e carreira vão acabar. Aprenda com a objeção e nunca se esqueça que obstáculos existem para serem superados.

Ninguém vende sempre. A carreira de vendas não é fácil, mas é fascinante, porém eu não conheço nenhum vendedor que nunca perdeu nenhuma venda. Por vezes, o cliente não vai comprar ou não precisa naquele momento ou ainda a sua objeção é legítima e intransponível. Nessas horas, lembre-se que “para o que não tem remédio remediado está”. O importante é não fazer disso um drama, prospectar novos clientes, valorizar aqueles que já compram. Aprender com a situação e melhorar sempre. Não comprar de você agora não quer dizer de maneira alguma que não vai comprar nunca. Fique tranqüilo por que logo aquela venda vai chegar.

Paulo Araújo
palestrante e escritor. Autor de Motivação - Hoje e Sempre (editora Qualitymark), entre outros livros.
Fonte: Revista MaisNegócios

Erros comuns entre vendedores, fuja deles!

A Harvard Business Review, em sua edição de Julho, traz ótimas matérias sobre vendas.

Em um dos quadros, está o resultado de uma pequisa com 138 responsáveis por compras business-to-business em grandes empresas americanas. Nesta pesquisa são avaliados os principais erros dos representantes de vendas, do ponto de vista do comprador. Vejam os dados:

* 26% não seguem o procedimento de compras do comprador
* 18% não prestam atenção às necessidades do cliente
* 17% não dão seguimento a assuntos pendentes
* 12% empurram o produto excessivamente, são agressivos ou faltam o respeito
* 10% não explicam adequadamente as soluções
* 6% falam de seu produto de forma exagerada ou incorreta
* 4% não entendem o negócio do cliente
* 3% agem de uma forma muito íntima com o cliente
* 2% não conhecem ou respeitam a concorrência
* 2% outros

Apesar da pesquisa ser americana, serve também para que as empresas brasileiras avaliem seus processos de vendas e a forma de atuação de seus vendedores.

domingo, 25 de outubro de 2009

AS PESSOAS ESTÃO A SUA PROCURA


Entenda o seguinte: as pessoas estão à procura. Elas estão em busca de algo que as leve para onde elas querem ir. Você é essa pessoa? Muitas andam por aí sem ter um plano B, trabalhando em empregos que odeiam ou que não se sentem felizes fazendo o que fazem e doidas para poderem "chutar o balde".

Se você tem uma boa oportunidade, sua atitude precisa refletir isso. Ainda que você seja novo no negócio ou que ainda não tenha atingido os resultados que espera alcançar, e daí? Você continua tendo uma boa oportunidade a oferecer que poderá mudar a vida de ambos. Sua atitude tem que refletir isso! Muitos empreendedores falham nisso. Eles simplesmente começam a duvidar de si próprios ou do seu negócio. Errar é normal, faz parte. Aprenda para errar menos. Apenas não desista, pois se você desiste você está assumindo o fracasso. Enquanto você não desiste, ainda que as coisas não estejam bem para você, o fracasso não existe, pois não é o fim.

Por isso eu reforço ...
não tem a ver com você.

Seu amigo poderá entrar no negócio e fazer toda a diferença, criando uma organização rápida em crescimento. Amigo empreendedor ... essa organização será sua também !!!!!O fato disso não ter ocorrido ainda não significa que não vá ocorrer. Então deixe sua atitude refletir isso e assista muitos prospectos fortes sendo atraídos para você.

Invista seu tempo apenas nos que valem a pena

Se você quer ter sucesso, não invista seu precioso tempo nos seus potenciais distribuidores que proclamam interesse, mas agem como se estivessem lhe fazendo um favor. Não é esse o tipo de pessoa que você procura.

Você deverá trabalhar com pessoas que estejam seriamente interessadas na sua oportunidade e comprometidas com uma mudança de estilo de vida. Elas estarão atrás de você e não ao contrário.

Escolha sua diretoria

Quando você está montando sua equipe, é importante ter em mente se você de fato gostaria de trabalhar com a pessoa que está recrutando. Lembre-se: caso ela entre na sua organização, isso determinará um convívio. Você realmente está preparado e deseja esse convívio com a pessoa que está recrutando?

Caçadores de borboletas

"Se você quer borboletas, não cace elas; plante flores no seu jardim."

Esta é uma das dicas mais valiosas sobre atrair prospectos fortes para a sua rede (em especial os que já tem sua própria rede). O que importa não é o seu produto, o que o seu produto faz ou o que você pensa que ele faz. De forma idêntica, a empresa que você empreende também não é o que mais importa. Assumo ao afirmar isso que todos temos bom senso em escolher bons produtos e boas empresas.

Pare de ficar atacando os outros que já estão em MMN com seu plano incrível, sensacional, oportunidade única e fabulosa - você está gastando tempo e energia em vão. O que realmente importa é quem você é. É isso que atrairá as "borboletas". E se você quer atrair as borboletas, tenha um belo jardim. Aí então promova seu jardim!

Se houve exagero em filosofar eu traduzo: torne-se uma pessoa de valor percebido.

Tenha o néctar, seja belo. Quanto ao néctar, é a capacitação profissional. Procure aprender ao máximo. Estude com afinco. Busque um líder que possa realmente ajudá-lo nesse crescimento profissional. Quanto à beleza, é o seu brio - sua dignidade, suas atitudes, sua pureza. É inútil pensar num belo carro na garagem para atrair borboletas como geralmente é ensinado - há muitos anos eu desfruto desses carros e nunca atraí mais do que mariposas por esse motivo. Talvez o seu desejo por ter um carro assim é que possa ser um motivador, já que demonstra sua determinação. E essa determinação é sim atraente às pessoas, assim como o seu conhecimento e como faz uso dele.

Ricardo Guimarães.

Fonte: http://supere-se.blogspot.com

sábado, 24 de outubro de 2009

ACHE O MENTOR CORRETO


As pessoas que nos rodeiam são muito importantes para a criação da nossa personalidade e para a formação da percepção que temos das coisas.

Muitas pessoas cometem muitas vezes o erro de pedir conselhos que influenciam a sua vida financeira a pessoas que ainda têm menos sucesso que elas.

As pessoas adoram dar concelhos, mesmo não percebendo nada do assunto de que estão a falar. Como as opiniões são grátis as pessoas dão-nas a um ritmo alucinante, algumas até sem nós as pedirmos.

Alguns anos atrás houve um desastre em Portugal, uma ponte na localidade Entre-os-Rios caiu levando consigo um ônibus e 2 automóveis, foi uma tragédia nacional, morreram muitas pessoas e as operações de resgate foram muito complicadas uma vez que estávamos em pleno inverno e a corrente do rio era muito forte.

A cidade de Entre-os-Rios ficou inundada de curiosos, todos davam a sua opinião sobre como os corpos deveriam ser resgatados do rio, o mais rapidamente possvel.

Foi entrevistado um homem, na televisão, que estava completamente transtornado com o péssimo trabalho (no seu entender) que os engenheiros estavam fazendo, foram chamados os melhores especialistas do país, bem como mergulhadores estrangeiros para ajudar, e o homem na televisão, com a convicção inabalável de quem acreditava piamente no que estava dizendo, falava e dava opiniões de tal forma que alguma pessoa um pouquinho distraída até pensaria que ele era um especialista na matéria.

Mas era sómente um popular.

A ideia do homem era atravessar longitudinalmente duas grandes embarcações no rio e assim conter a furia das águas, o rio secava com esta barragem improvisada e assim já podiam resgatar com calma todos os corpos.

A ideia era tão idiota que se alguém acreditasse no que o homem, super convicto, estava a dizer seria ainda mais idiota do que ele.

Infelizmente quando se trata de realizarmos os nossos objectivos financeiros vamos quase sempre perguntar a quem ainda está pior do que nós, ou se não perguntamos, damos frequentemente ouvidos a esse tipo de pessoas.

Se eu estiver doente, iria ao médico especialista, não vou a um sapateiro.

Aquilo que temos de fazer é identificar os melhores na área que queremos dominar, e usar a tecnologia do obvio. Os japoneses foram muito bons nas décadas de 60 e 70 a copiar os americanos, pegavam no melhor electrodoméstico americano, copiavam-no e depois melhoravam-no, o nível de perfeição 10 dos americanos passou a ser o nível 1 dos japoneses.

E isso que temos de fazer, temos de copiar pelos melhores, estudá-los, perceber como eles obtêm o seu sucesso, e tentar superá-los.

Se essas pessoas estiverem dispostas a partilhar o conhecimento deles connosco melhor ainda, os livros são um excelente exemplo disso.

Tenho visto muitas pessoas que depois de estudarem uma oportunidade de negócio por exemplo, vão perguntar ao vizinho a sua opinião (ao vizinho que, se o virarmos de avesso, não lhe cai uma unica moeda dos bolsos), e a opinião dele é a que mais tomam em consideração. Como o negativo tem muito mais peso do que o positivo, na maioria das situações, o saldo final normalmente é negativo.

As pessoas que nos rodeiam são muitas vezes as primeiras a roubarem-nos o sonho.

Uma razão, é porque lidam muito mal com o sucesso dos outros e com o nosso em particular. Esse sucesso recorda-as das próprias cobardias e esse sentimento é muito poderoso. Muitas vezes o suficiente para tentarem dissuadir-nos se estivermos dispostos a tentar.

Outra das razões é porque gostam muito de nós e querem protegernos do sofrimento e do fracasso numa determinada situação. Isso é absolutamente compreensível e normal, mas devemos ter estas razões em consideração quando tomamos as nossas decisões.

Aquilo que descobri é que somos nós e só nós, os responsáveis pelo nosso futuro e que NUNCA devemos colocar o nosso futuro nas mãos de ninguém.

Podia estar aqui horas a contar histórias reais de pessoas que dão montes de desculpas e montes de razões para não tomarem nenhuma iniciativa, passando a vida a justificar-se porque falharam. Para eles geralmente a culpa é sempre dos outros.

Saiba que quando aponta para os outros, está um dedo a apontar para a frente e três para trás, para si mesmo.

Se não tivermos um sucesso incrível logo á primeira, essas pessoas são as primeiras a dizer: "EU NãO TE AVISEI?"

Se triunfarmos as mesmas são as primeiras a dizer: "EU SABIA QUE IAS CONSEGUIR, PARABÉNS!"

Por isso somos nós os responsveis pelo nosso futuro. Os mentores são apenas mentores, cabe-nos a nós aconselharmo-nos com eles pois já percorreram o caminho que estamos a percorrer e sobretudo já atingiram os objectivos a que nos propomos, mas as decisões terão que ser sempre nossas, as verdades de uns podem não ser as verdades de outros.

Sem dúvida nenhuma que ter mentores que nos possam ajudar na área que precisamos é uma das melhores formas de atingirmos os nossos objectivos: será mais rapidamente e mais facilmente.

Por isso procure o(s) seu(s) mentor(es).

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

A IMPORTÂNCIA DA MUNDANÇA



Mudar não é fácil, mas é simples. As coisas sempre mudarão. Não temos opções quanto a isso, mas podemos escolher como iremos reagir às mudanças. No fundo, o que a mudança nos leva é a gerenciarmos ela, ou do contrário ela irá nos gerenciar.

Decidir fazer as mudanças é a parte mais fácil para um líder. Não temos escolha quanto a isso e a única saída é sobre como reagiremos. Já ter as pessoas a bordo é que é muito mais difícil. Por quê? Muito simples, a mudança é um processo emocional. Somos criaturas com hábitos que geralmente resistem à mudança e promovem a rotina.

A longo prazo, a “mesmice” é o caminho mais rápido para a mediocridade, e organizações medíocres não sobreviverão. “Quando padrões são quebrados, novos mundos emergem”. E é esse o seu desafio … convencer o seu time que o novo mundo que você está tentando criar é melhor do que o que você está. É fácil? Claro que não. Isso requer planejamento, compromisso, paciência e coragem.

A verdade, é claro, é que a mudança pode ser um presente maravilhoso. De fato, é a chave que abre a porta do crescimento e excitamento da sua organização. E mais importante, sem ela sua concorrência irá ultrapassá-lo.

Como líder, grande parte do sucesso será sua habilidade de inspirar seu time a sair da zona de conforto, assegurando a eles que mesmo que seja um novo caminho, é o caminho certo pelos motivos corretos.

Traduzido e adaptado por Ricardo Guimarães do livro "Mudar é Bom, Você Primeiro" de M.Anderson.

$ucessos !!
www.inspiracao.net/165059

terça-feira, 20 de outubro de 2009

COMO ESCOLHER UMA OPORTUNIDADE



Nos dias atuais, onde o "emprego" anda escasso, devemos buscar alternativas válidas e que deem lucros e resultados concretos, mas qual seria a atividade que está em franco crescimento ?

"O setor de cosméticos, higiene pessoal e perfumaria
fatura bilhões todos os anos no Brasil (...)"
— Folha de São Paulo

"Indústria de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos cresce 18% no 1° semestre
Com bom desempenho nos primeiros seis meses, previsão de crescimento para 2009 passa de 5% para 11%"
-Por Época NEGÓCIOS Online

Na contramão da crise, as vendas da indústria de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos cresceram 18% no primeiro semestre deste ano, frente ao mesmo período do ano passado, segundo dados da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos de acordo com a ABIHPEC (Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos)

A beleza é levada a sério pelos brasileiros. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e da ABIHPEC mostram que enquanto o PIB do país e das indústrias gerais em 2008 cresceu, respectivamente, 5,1% e 4,3%, o das indústrias de cosméticos bateu 7,1%.

E como posso tirar proveito disse nos dias de hoje? Simples, escolher primeiramente a empresa ou linha de produtos onde estejam juntas a qualidade dos produtos e a rentabilidade, observando aspectos que farão diferença na hora de escolher qual empresa representar.

ASPECTOS A SEREM OBSERVADOS:

*MARGEM DE LUCRO ?
*LOGÍSTICA E FACILIDADES NA ENTREGA DOS PRODUTOS ?
*TREINAMENTOS PARA VENDAS ?
*POSSIBILIDADE DE VENDAS ON-LINE ?
*TREINAMENTOS MOTIVACIONAIS ?
*FACILIDADES NA COMERCIALIZAÇÃO ?
*A EMPRESA EXIGE METAS OBRIGATÓRIAS ?
*PREÇO E QUALIDADE ?
*OS PRODUTOS ALCANÇAM VÁRIAS CLASSES SOCIAIS OU É RESTRITO A UM GRUPO SOCIAL ?
*CONHECER BEM E USAR OS PRODUTOS (No mercado atual vale mais o que voce faz e não o que voce diz.)


Depois de observar cada uma delas, devemos eleger aquela empresa ou oportunidade que mais vantagens de crescimento voce terá em pequeno, médio e longo prazos.

Para as pessoas que nunca visualizaram esse tipo de mercado vamos comentar algumas justificativas que as pessoas usam para não encarar esta real oportunidade.

DESCULPAS E RESPOSTAS?
*NUNCA TRABALHEI COM COSMÉTICOS. - E daí, ninguém nasce sabendo de tudo.
*ISSO É PARA MULHER - Este mercado vem crescendo entre os homens e "cá pra nós", prefiro ter dinheiro no bolso a ser um quebrado.
*NÃO GOSTO DESSE RAMO - Mas voce gosta de estar duro? Voce trabalha por caridade ou por dinheiro?
*NÃO SEI VENDER - Ninguém nasce sabendo(2) e para tudo se aprende, basta querer. Vendas não são dificeis, difícil é para quem não quer aprender.

Após vencer a barreira das desculpas, vamos voltar a parte prática.
Existem várias empresas no mercado, poucas tem uma logística e uma variedade de produtos grade que nos dá uma boa margem de lucro na revenda. Além de disponibilizar um site grátis a todos os distribuidores cadastrados que cumprirem uma pontuação básica mensal, é possivel também para quem fornece seu código de empresário vender mesmo sem esta pontuação, dando a possibilidade a todos os cadastrados de ter vendas pela internet dos seus produtos e os clientes podem pagar suas compras com essa ferramenta e pagar com seus cartões de crédito.


A Dica de Hoje é conhecer a oportunidade Amway, que é a pioneira em mercado interativo, uma das líderes mundiais em vendas diretas e marketing inteligente, pois tem produtos de qualidade e preço justo que cabem no bolso da grande maioria dos brasileiros, além de propiciar uma enorme economia em termos de produtos de limpeza.

Informações MSN: ericksonlr@gmail.com
Ou no site: www.amway.com.br Código de cadastro: Para se tornar Empresário Amway 3109207007N37 ou se deseja apenas adiquirir produtos como Cliente 3109207007W8B