quarta-feira, 18 de julho de 2012

MATEMÁTICA E MENTIRAS NO MARKETING DE REDE



Com o artigo de hoje eu vou tentar responder (com minha opinião) o leitor Silas Batista, que deixou um comentário bastante pertinente num dos últimos posts do blog, onde falei sobre os produtos do marketing de rede. Na verdade, comecei a responder o Silas por lá mesmo, mas como a resposta acabou ficando muito grande, resolvi criar um post. Acho que pode ser do interesse de mais pessoas. E, pra terminar essa introdução, quero novamente agradecer ao Silas (já o agradeci no próprio comentário) por dois motivos: primeiro, as opiniões contrárias são as que mais enriquecem o debate. Segundo, por ter despertado minha criatividade – pois estava sem assunto para o post de hoje :lol: . Além disso, como falei noutro post, precisamos observar o MMN por mais de uma ótica, se desejarmos ser conhecedores do assunto. Portanto, caro Silas, tanto a sua opinião quanto a de qualquer outra pessoa que deseje se manifestar contra o marketing de rede serão sempre bem vindas aqui no blog. É claro, desde que respeitem nossos termos de uso.

A matemática do marketing de rede

Silas, não sei se entendi direito, mas acho que você quis dizer que a matemática não erra, certo!? Eu concordo com você! E repito: o marketing de rede é matemática pura. Não tem erro: se você conseguir fazer essa engrenagem trabalhar a seu favor, o jogo dos números no MMN podem deixá-lo rico. A grande diferença da matemática do MMN para a matemática dos outros negócios é que no marketing de rede a lógica é 3³x3³x3³ e não 3+3+3. Agora, fazer essa matemática acontecer “são outros quinhentos”. É aí que entra a equação: trabalho + dedicação + perseverança + tempo = X. Note que mesmo ao dizer que se você trabalhar, se dedicar, perseverar e “der tempo ao tempo”, ainda assim eu fiz questão de mostrar que o resultado final continua sendo uma incógnita (=X) e não algo perfeitamente previsível: (=sucesso). Essa é a verdade! Nada garante, nem ninguém pode afirmar que qualquer pessoa terá sucesso no marketing de rede. Assim como ninguém pode afirmar que qualquer pessoa terá sucesso ao abrir uma padaria, uma farmácia, uma sapataria ou qualquer outro negócio. A questão é: se no marketing de rede, que você não precisa cuidar de todos os aspectos do negócio (produção, logística, financeiro, tributação, etc.,etc.,etc.) e ainda conta com o apoio de sua linha ascendente e da empresa, o sucesso ainda é algo difícil de ser alcançado, imagine nos negócios tradicionais, onde será apenas você contra tudo e contra todos. Em minha opinião pessoal, marketing de rede é um negócio como outro qualquer, com todos os riscos, problemas e possibilidades de fracassos. Porém, percebo que as pessoas que chegam ao topo dos negócios tradicionais não tem a mesma qualidade de vida que as pessoas que chegam ao topo no marketing de rede. Daí eu preferir despender meus esforços nesta segunda opção.

O problema das falsas promessas…

O que acontece é que o marketing de rede é um negócio e que, portanto, dinheiro precisa ser feito, negócios precisam ser realizados. No caso, fazemos negócios e dinheiro com vendas. Vendemos produtos e, também, a idéia (com real possibilidade) da renda extra, do negócio próprio, da liberdade financeira, etc. Mas, na verdade, o que entregamos é apenas a possibilidade da pessoa “fazer acontecer”. Só isso. E se vai acontecer e para quem vai acontecer, só Deus sabe. Porém, algumas pessoas que compram essa “possibilidade” entendem (ou são induzidas a entenderem) que há uma garantia de sucesso por trás. Que o êxito é certo. Entram no negócio achando que se seguirem tudo ao pé da risca se tornarão milionárias. E isso é uma maneira equivocada de encarar qualquer empreendimento. E daí vem toda a falácia de que o marketing de rede é uma fraude. Mas não é. Porém, é um negócio. E como tal, precisa atrair pessoas, assim como a montadora que faz um comercial mostrando que o cara que comprar seu carro vai se dar bem com todas as mulheres. Mas, na prática, só o carro não basta. É preciso que o sujeito tenha algumas habilidades – tanto para se dar bem com as mulheres, quanto para se tornar um milionário no multinível.

…E das falsas expectativas

O nosso trabalho, assim como o da montadora, é vender, de maneira responsável, essa possibilidade para o maior número de pessoas. E as que estiverem dispostas a adquirir as habilidades necessárias poderão fazer a coisa acontecer pra si. E é aí onde entra sua segunda argumentação, Silas, com a qual eu também concordo, de que “uma mentira quando é muitas vezes pregada, em muitos lugares e ao mesmo tempo, fica parecendo verdade”. O fato é que, enquanto algumas pessoas vendem isso de maneira irresponsável, outras, talvez por ingenuidade, talvez por desespero mesmo – não sei bem – compram suas próprias ilusões. E, no final, toda a indústria do marketing de rede “paga o pato”. Agora eu pergunto: o que acontece com o esquisitinho que paga uma grana num carrão e mesmo assim não “pega” nenhuma daquelas gatas dos comerciais de TV? À quem ele vai reclamar? E, provavelmente, se o fizer, lhe responderão: aquilo era apenas “o marketing” da montadora… E ele (e todo mundo), naturalmente, aceitará a resposta. Silas, isso foi, provavelmente, o que aconteceu com seus amigos da Amway. Alguém lhes vendeu uma possibilidade, alegando que era uma certeza. Mas, te digo uma coisa: as estatísticas do marketing de rede apontam que dificilmente uma pessoa passa mais de 10 anos (ativamente) num negócio sem que tenha resultados extraordinários. A Amway passou por períodos turbulentos no Brasil mas, mesmo assim, não deixou de ser a maior empresa do mundo nesse setor. E, acredito eu, se tivessem eles perseverado no negócio, suas histórias poderiam ter sido diferentes.

A verdade sobre as mentiras do marketing de rede

Em relação a parte em que você diz “arruinaram suas vidas acreditando que ficariam ricos sem trabalhar”, volto a dizer: isso é promessa falsa. Não existe. Pode ter certeza de que nada dá mais trabalho do que trabalhar num setor que tem como principal ativo as pessoas e onde sua realidade é desconhecida pela maioria delas. Já, Silas, uma parte de seu comentário que não tenho como concordar é quando você se diz “desinformado” e “desconhecedor dessa indústria”. Pelo contrário, acho que você tem propriedade pra falar, sim. E isso fica provado mais adiante quando diz “se você for pioneiro na sua região a chance é maior”. Você está certíssimo! Mas, novamente pergunto: em qual setor não é assim? Aqui em minha cidade existe uma grande cadeia de supermercados, com mais de trinta anos de história, e penso que quem iniciar hoje nesse setor não terá como competir de igual para igual com ela. Nem por isso, nesse caso, devemos dizer que ninguém mais deve abrir um pequeno supermercado, por falta de mercado. Pelo contrário, por mais que as estatísticas sejam desmotivantes, sempre vemos novos empreendedores terem sucesso em mercados antigos. E tanto veremos novos supermercados darem certo, quanto veremos novos distribuidores terem sucesso em empresas de marketing de rede antigas. Pra finalizar, eu gostaria apenas de dizer que também tenho alguns amigos parecidos com os seus, com histórias semelhantes. Mas as histórias deles não me desmotivam. E não é porque sofri nenhuma lavagem cerebral, não. É que olho para a vida deles após terem “desistido” do marketing de rede e percebo que também não construíram nada em outros negócios. Então me pergunto: o marketing de rede é mesmo uma mentira ou a verdade é que algumas pessoas não dão certo em absolutamente nada?

Pablo Teixeira

Publicitário, empreendedor na indústria do Marketing Multinivel e autor do blog MMNExpert.

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Você realmente está buscando alternativas profissionais?

Por Erickson Ribeiro


No mundo atual somos constantemente incomodados com o crescente desemprego. Pessoas a todo o momento se queixam da falta de oportunidades, mas será que isso é verdade?  Vivemos a cultura dos concursos públicos, onde essa onda se transformou em uma indústria, com venda de cursos, apostilas, bizuradas e vários produtos voltados a esse mercado.  Não quero aqui desqualificar o concurso público, pois o serviço público é uma carreira segura. Mas será essa a única alternativa para o crescimento pessoal e profissional?
Deparo-me em muitas ocasiões com pessoas que afirmam buscar uma oportunidade, mas na realidade apenas querem o famoso emprego de carteira assinada e passam meses e até anos sem lograr uma posição no mercado de trabalho esquecendo esses que existe um ramo que está ainda "virgem" e de portas abertas para o sucesso profissional e pessoal. Falamos do crescente mercado de vendas diretas associadas ao marketing de indicações.  Essa é uma fonte viável e bastante rentável, acessível a todas as camadas da sociedade tenham eles experiência ou não.  Os pontos positivos dessa atividade profissional são justamente o investimento ínfimo para se abrir esse negócio, a vantagem dos treinamentos em muitos casos gratuitos, da total assistência orientação e suporte das pessoas que serão seus lideres nesse tipo de organização de negócios, além de toda uma estrutura pronta que a empresa oferece como controle contábil, estoque, sistema de informática que controla todos os produtos comercializados pelo seu grupo de vendas além de premiações em dinheiro e até mesmo viagens nacionais e internacionais a quem atingir metas.  Esse tipo de negócio deve crescer mais ainda no Brasil que é o segundo mercado mundial neste setor atualmente, mas que conta apenas com menos de 10% da sua população envolvida com esse tipo de negócio.   Países muito menores que o Brasil, como a Venezuela, México, Tailândia e muitos outros já contam com centenas de novos milionários ou mesmo de pessoas que mudaram sua qualidade de vida e de ganhos no mercado da venda direta aliada ao multinivel como um negócio altamente lucrativo, e o melhor é que essas pessoas em muitos casos mesmo sem nunca terem feito esse tipo de atividade antes, foram treinadas e qualificadas pela própria empresa fornecedora e pelos líderes que os orientam e ajudam a desenvolver essa atividade.   Aqui no Nordeste já temos pessoas que vivem exclusivamente desse tipo de atividade faturando somas mensais que variam entre R$ 2.000,00 até R$ 30.000,00 mensais, dependendo do tamanho do seu grupo de negócios e da dedicação de cada profissional.   Toda semana temos apresentações comerciais onde líderes de sucesso demonstram como esse negócio funciona e como você poderá se tornar um empreendedor independente de sucesso.  Um aspecto importante sobre o assunto é buscar uma empresa séria e de bases sólidas para se associar, de preferencia a que seja a fabricante dos seus produtos, e que exista grande variedade deles, sendo imprescindível que sejam produtos de uso diário e de preço compatível com o mercado. Infelizmente temos no nosso pais uma proliferação de negócios que tem roupa de multinivel, cheiram a multinivel mas que na realidade são estelionatos disfarçados. 
Quem se interessar inicialmente por uma renda extra, deve se informar, saber da seriedade e tradição da empresa, se tem escritório legalizado no país, se tem tradição no mercado, pois quem sabe, não está ali a sua saída para o sucesso.


Erickson Ribeiro é palestrante motivacional e sobre atendimento em vendas
Formado em Letras e Literatura
Pós-Graduando em Educação Ambiental


quarta-feira, 11 de julho de 2012

ABEVD vai combater as pirâmides financeiras

As legítimas empresas de Multinível no Brasil ganharam um aliado de peso na luta contra as pirâmides  disfarçadas de serviços, como turismo e publicidade, que invadiram o país como praga de gafanhotos. A nossa entidade maior das vendas diretas iniciou combate à altura e nenhum recurso está descartado, incluindo-se o  Ministério Público e as esferas judicial/policial. A primeira ação é este comunicado à imprensa, que está sendo divulgado a nível nacional nos meios de comunicação de massa. 

Com relação às recentes reportagens veiculadas sobre o tema das pirâmides financeiras, a Associação  Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD) vem a público reafirmar o seu repúdio a toda e qualquer espécie de esquema piramidal, que se caracteriza por crime contra a economia popular conforme prevê o artigo 27 da Lei143/2001.  A ABEVD reforça ainda o seu apoio no combate a esquemas ilegais de redes e o seu total interesse em colaborar para que tais crimes não prosperem na sociedade. Pensando nisso, a entidade rege o setor das vendas diretas sob as premissas de seu Código de Conduta, baseado em modelo internacional difundido pela World Federation of Direct Selling Associations (WFDSA), submetido a todas as suas empresas associadas. Para evitar associações indevidas, esclarecemos abaixo as maiores questões que diferenciam um modelo legítimo, como o de marketing multinível, em relação aos esquemas de pirâmide financeira que combatemos. 

 Legitimidade do negócio
O marketing multinível é um modelo de negócios honesto e legal, baseado na revenda direta de produtos e serviços devidamente registrados junto aos órgãos públicos competentes. Dinheiro suado O marketing multinível requer empenho de seus revendedores autônomos. Apresentados a um plano de carreira com metas claras e bem estabelecidas, todos ficam cientes do quanto podem ou não crescer no ramo. Nesse modelo, os ganhos são proporcionais à dedicação e ao tempo investido no negócio. A sua rentabilidade, contudo, tende a crescer exponencialmente com a maturação das organizações de vendas e de suas equipes, isto é, com a experiência adquirida. Atingidas as metas, os membros da rede ascendem de nível e se beneficiam  com premiações ou ganhos maiores nas participações, mas preservadas somente sob a manutenção do desempenho nas vendas. Prevalece, portanto, o reconhecimento ao mérito. Sem trabalho, sem dinheiro. O multinível não é um lugar de oportunistas, mas de empreendedores. Não por acaso, o multinível coleciona casos de membros que superaram aqueles que os trouxeram para a rede, derrubando o falso mito de que os mais beneficiados são os que chegaram antes à rede. No multinível, o topo da rede não é fixo e eterno, mas móvel e flutuante, de acordo com o empenho de cada um de seus membros. 

Desenvolvimento de pessoas
O sucesso do modelo de marketing multinível está diretamente vinculado ao investimento no treinamento das organizações de vendas. Como o revendedor autônomo é quem coloca o produto em contato com o consumidor, é do interesse das empresas do setor zelar pela forma que suas marcas são apresentadas. Uma das maiores características deste setor é, portanto, o grande investimento em treinamentos diferenciados, orientando as vendas e desenvolvendo verdadeiros líderes. 

Desistência
As empresas de vendas diretas do modelo multinível permitem que seus revendedores, quando desapontados, devolvam os produtos estocados e recebam o equivalente ao investido nestes, deduzidas apenas as taxas de frete. Para evitar esse tipo de problema, a maioria das empresas desencoraja seus revendedores a fazer grandes estocagens de produtos, especialmente se forem iniciantes. Além disso, no modelo de marketing multinível, a saída de uma pessoa da organização é solucionada automaticamente, por outro revendedor já pertencente à rede que assume a posição daquele que a deixou.

Como não poderia deixar de ser, o modelo de negócios em marketing multinível gera receitas para os  estados, através da arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que pelo modelo de Substituição Tributária consegue recolher o tributo de todos os revendedores do País, cuja soma já supera os 2 milhões.

Conclusão
Vê-se, portanto, que o sistema multinível de vendas diretas é um modelo de negócios benéfico à economia  popular, que gera oportunidades de renda para mais de 2 milhões de revendedores autônomos espalhados pelo Brasil e arrecada impostos para o País. Comitê Multinível Visando a troca de experiências e conhecimento entre as empresas do País que operam com o modelo multinível, a Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD) constituiu o Comitê Multinível, com profissionais reunidos para discutir os problemas e as oportunidades a que o segmento está exposto. Entre os temas pertinentes a esse trabalho, por exemplo, está o momonitoramento de casos de irregularidades e do risco de associação destes com a imagem de um modelo idôneo. Está entre os maiores objetivos deste comitê, portanto, o compromisso de combater as pirâmides e zelar pela ética em todas as esferas da cadeia do marketing multinível e das  vendas diretas.

Sobre as vendas diretas
As vendas diretas constituem um setor cada vez mais relevante para a economia brasileira, responsável pela contribuição fiscal da comercialização de produtos e serviços realizada por milhões de revendedores  autônomos. É composto por empresas de segmentos diversos, sendo 88% da categoria de cuidados pessoais, 6% de suplementos nutricionais, 5% de cuidados do lar, e 1% de serviços e outros. Também chamadas de vendas por relacionamento, as vendas diretas ocorrem em círculos sociais, fora de  estabelecimentos comerciais fixos. Não deve ser confundida com a venda porta a porta, uma vez que esse termo está sujeito à toda sorte de mercadorias, de origem desconhecida, e sobre a qual não se aplicam as diretrizes de ética do Código de Conduta da ABEVD.

Fonte: Jornal Loucos por Marketing

Retornando as origens

O blog Vendas e Oportunidades sempre foi voltado ao tema dos negócios, motivação,m marketing interativo e multinivel e temas afins. Nos ultimos meses me detive a me debruçar sobre temas de cunho religioso e teológico que agora passam a ter um blog exclusivo sobre o tema, o http://ericksonabdulrahman.blogspot.com.br/ para quem se interessa sobre os temas que vinha escrevendo a algum tempo.
Vou retornar aos temas originais desse blog por entender que algumas coisas tem de ser separadas e tratadas no seu devido espaço e tempo.

Com isso agradeço aos amigos e irmãos que me prestigiaram nesses meses e que os temas que agora voltgarei a tratar aqui também são de igual importancia, pois as pessoas precisam de algo que as motive e a oportunidade profissional é uma delas, e abre novos rumos as pessoas, dando propósito para crescer e almejar um futuro melhor.

Abraços,

Erickson Ribeiro